terça-feira, setembro 25, 2018

Post 6849 - Soufflé de bacalhau

- Cozemos duas postas de bacalhau - pele para baixo, alho esmagado em cima, fio de azeite, água a ferver por cima, depois em lume brando a cozer - tiramos a pele e as espinhas e esfiamos o bacalhau;
- Em panela, cebola e alho picados, manteiga, depois leite com a farinha  mexida, quatro gemas de ovo, noz moscada, sal, pimenta, coentros picados, casca de limão, sumo de limão,
- Batemos as claras em castelo e envolvemos com cuidado;
- Forno, a 180º durante 25 minutos, em pirex untado com manteiga e com queijo para gratinar por cima;

Post 6848 - Desafio de Escrita (OE) 9/10 Diálogo


- mmmmm (imperceptível)
- Hi, little child under five years old, maybe, four years old, are you speaking with me?
Tradução – olá pequena criança com menos de cinco anos de idade, talvez quatro anos de idade, estás a falar comigo?
- Obama, mmmmm  (imperceptível)
- Yes I am Barack Obama, what do you want?
Tradução - Sim, eu sou Barack Obama, o que queres?
- Obama, mmmm (imperceptível)
- Don’t worry, I have here my Iphone 10 with a translator of baby language, speak to it:
- Tradução, não te preocupes, eu tenho comigo o meu Iphone 10 com um tradutor de linguagem de bebes, fala para aqui:
- mmmm – translator – I lost my mother
Tradução – Perdi a minha mãe
- You are lost, is it?
Tradução – Estás perdido, é isso?
- mmm -  translator – no, she is
Tradução – não, ela é que está
- How does she look like?
Tradução – Como é que ela é?
- mmm – translator – she is beautiful
Tradução – Ela é linda
- Is she the very fat, I mean, the big woman that is coming our way?
Tradução – Ela é aquela mulher muito gorda, quero dizer, aquela mulher grande que vem na nossa direcção?
- Yes
Tradução: Sim
Problem solved, I done it again!
Tradução: Problema resolvido, consegui mais uma vez!

domingo, setembro 23, 2018

Post 6847 - Sábado, 22.9.17

A freira maldita (The Nun) de Corin Hardy com Taissa Farmiga

Imagem relacionada

Resultado de imagem para movie the nun romenia

sábado, setembro 22, 2018

Post 6846 Hoje no Google

Post 6845 - Receitas, Setembro


 5/9 ...esqueci-me do que será...1ª tenativa de massa com salmão fumado no forno?
 6/9 -Batata rosti, 1ª tentativa
12/9 - pão-de-ló de 11/9 que até saiu bem
 13/9 - 1ª tentativa de pataniscas de bacalhau
1º - Cozer posta de bacalhau, depois tirar peles, espinhas e esfiá-lo; 1 ou 2 ovos mexidos, 50 g de farinha, 1/3 de cebola picada, salsa picada, sal, pimenta, leite - depois fritar em óleo

 15/9 - bifes, com arroz de bróculos e batatas fritas (arroz de estrugido normal, deitar bróculos depois de lavados para cozerem por cinco minutos)
16/9 - lombinho de peru assado no forno (temperado primeiro com sumo de laranja)
18/9 - 2ª tentativa de croquetes e de trouxa e 1ª de filetes com arroz de tomate
Para as trouxas envolver a carne igual para os croquetes (carne, bacon, chouriço e cenoura cozidos do almoço, leite, farinha de milho, casca de limão) em puré de batata (a batata cozida com noz moscada, sal, pimenta e manteiga), passar por farinha, ovo mexido e fritar (croquetes passar por farinha, ovo mexido e pão ralado)
Filetes - temperar com sumo de limão, sal e pimenta, passar por farinha e ovo mexido;

Post 6844 - Setembro

Antes, cabelos b. indecisos
Sexta-feira, 14.9.18 - Jantar a 4 em Matosinhos
Receitas para experimentar
- Polvo a cozer com uma cebola, quando esta estiver cozida, já está - água a cobrir o polvo com um pouco de sal - depois congela-se o polvo com a água da cozedura;
- 12 horas pelo menos para descongelar;
- Panela com azeite, alho esmagado, polvo, 5, 7 minutos, não pode é ferver o azeite, lume médio
- Polvo à espanhola - polvo aos bocadinhos na travessa, pimentão ou paprika, pimenta branca e pimenta cayenne;
Sexta 21.9.18 - Reencontrei a I e o L
Sábado 22.9.18 - E.

Post 6843 - Livros 2018 (65 e 66) Para além das brumas de Karen Marie Moning e A esposa perfeita de Lynsay Sands

Para além das brumas de Karen Marie Moning (r)
A esposa perfeita de Lynsay Sands

Resultado de imagem para Para além das brumas de Karen Marie Moning  Resultado de imagem para A esposa perfeita de Lynsay Sands

Post 6842 - Sexta-feira, 7, 14 e 21 de Setembro

Alpha de Albert Hughes, com Kodi Smit-mcphee
O Predador (The Predator) de Shane Black
Jamais le premier soir de Melissa Drigeard


Resultado de imagem para cinema jamais la prémiere fois de Melissa DrigeardALPHA   

Post 6841 - Desafio de Escrita (CNEC) 1/10 e 2/10 Eu e Nas tuas lágrimas vejo

Eu gosto de histórias de amor reais com finais felizes. Colecciono-as, esquecendo muitas vezes os nomes ou quem eram os intervenientes.
Lembro-me, por exemplo, de uma apresentada nos flagrantes da vida real. A narradora tinha presenciado um acidente de viação em que uma rapariga bonita batia com o seu carro no de um rapaz simpático. Enervada e em lágrimas, apesar de ter sido dela a culpa, gritava-lhe “vou fazê-lo pagar por isso”. Mais tarde a narradora ficava a saber que iam casar e não conseguia evitar pensar que ela realmente o tinha feito pagar por aquilo.
Havia depois um caso contado pelo próprio interveniente. Contava como quando jovem, estando a passear num cais, tinha sentido a vontade irresistível de empurrar para a água, uma rapariga que por acaso também lá estava. Fê-lo a pressentir que se ela voltasse à superfície a sorrir ia casar com ela. Ele não a conhecia e ela podia até nem saber nadar. Mas felizmente ela sabia nadar e voltou mesmo à superfície a sorrir. Casaram e continuavam felizes (se fosse comigo como nado mal, ou afundava ou decididamente não emergiria a sorrir).
Ainda noutra história, um rapaz simpático, mas que não se achava atraente, tinha ido a um baile e começava a reparar como uma rapariga bonita desprezava todos os que iam convidá-la para dançar. Ele resolvia fazê-lo também para a criticar ou gozar por vir para um baile e não dançar, mas quando a abordou, ela que tinha estado sempre séria com todos os outros, abriu-lhe um grande sorriso e aceitou logo dançar com ele. Mais uma vez, muitos anos depois continuavam juntos e felizes.
Histórias assim fazem-nos crer que o amor, ainda que apenas enquanto dure, é para sempre, e desejar poder sentir algumas vezes o “nós” em vez de o somente eu.



Nas tuas lágrimas vejo as minhas.
As que chorei, as que não choro.
Passámos a linha invisível.
Sabemos que não acontece só aos outros. Sabemos como é.
Hoje sonhei com o J. Estava a precisar de ajuda e sem que me pedisse ia ter com ele. Estava jovem, bonito, frágil e corajoso. Tal como era.
Fecho os olhos e vejo-o no meu sonho. Passaram tantos anos. Se fosse possível reencontrarmo-nos, será que me reconheceria?
Quis ver sinais em coincidências.
Mas não há volta ou regressos.
Para os que ficam não é o fim. Mudamos. Rejeição, raiva, medo, saudade, dor. Em avanços e retrocessos, às vezes em simultâneo. Aceitar foi apenas acreditar que tinha sucedido, saber que a vida continua (como é possível que continue como se nada tivesse sucedido quando um mundo acaba?)
Não há nada que possamos fazer.
A dor passa a fazer parte de nós.
Antes não queria pensar que podia acontecer. Agora não quero pensar que sucedeu.
Antes evitava funerais. Agora percebi o que as presenças podem significar para os que ficam.
O último gesto por um amigo. Estar lá. Estar lá apenas, ainda que em silêncio, para escutar as lágrimas da sua família, dos que lhe eram queridos.
Por isso nas tuas lágrimas estão as minhas.

Post 6840 - Desafio de Escrita (0E) 7/10 e 8/10Sobre as redes sociais e Carta


 Com as redes sociais como o Facebook podemos reencontrar amigos e conhecidos do passado, descobrimos como estão actualmente (às vezes eles com barriguinha e menos cabelo, elas, bronzeadas e louras - outras vezes, não), ver as fotografias das casas, carros, férias e festas.
Com o Linkedin poder-se-á procurar trabalho – não sei se alguém já o conseguiu assim.
Podemos ser recordados dos aniversários, chamados para as partilhas e encontros – nos quais podemos colocar “gosto” e “talvez”, do talvez vá, mas depois não vai dar para ir.
Podemos concordar com ideias em cartazes como: não deixes para amanhã, aproveita hoje, quem quer arranja tempo, mas continuarmos sem o fazer.
Podemos ter amigos que nunca encontrámos, nem vamos encontrar, que falam outras línguas, vivem em países longínquos e alguns até nos começam a seguir.
Podemos também partilhar fotografias nossas, tiradas por nós ou de nós mesmos, os famosos “selfies”, ideias e citações, e contar os “likes”.
Receber um “like” de alguém famoso e descobrir depois que afinal era um perfil falso.
Entrarmos na roda de querer impressionar e deixar-nos iludir por quem nos quer impressionar a nós. Ou perder-nos em discussões sem sentido.
E sabemos agora também que por exemplo através do facebook ocultas entidades poderão obter e lucrar com os nossos dados – para tentar influenciar-nos a adquirir ou a votar ou a pensar.
Em vez de simples “likes” poderá de lá advir o mal anónimo, cobarde, e gratuito, o “bullying”. Ou a solidão de descobrir que nenhum dos duzentos, ou dos trezentos ou dos mil e tal amigos, está disponível quando precisamos de um.
Como em quase tudo, haverá o bom e o mau, mas se nos permite conhecer, contactar com algo ou alguém que de outra forma não encontraríamos, só por essa oportunidade, com discernimento e cuidado, viva as redes sociais!

Queridos pais o prometido é devido por isso aqui vai a carta que vos disse que escreveria.
Hoje foi o meu primeiro dia de aulas na escola primária.
Fui o primeiro! Já estava lá quando chegaram todos os meninos com os pais.
Alguns olhavam para mim de frente, a maior parte fazia-o de lado. Não por estarem intimidados, mas a querer avaliar‑me.
Quase me senti intimidado eu, mas procurei enfrentar a situação, sorrindo-lhes. Não obtive muitos sorrisos de volta, mas acolhi como carinho todos os que consegui.
Não houve choros. Estes meninos vêm da pré-primária ao lado. Têm mantido a turma. O único de novo ali, era eu. Vinte crianças, doze meninas, oito rapazes. Quando a porta da sala se fechou – fui eu que a fechei logo a seguir a tocar a campainha – ficaram calados a olhar para mim.
Por instantes apenas olhei também para eles.
Depois e como tinha sido aconselhado resolvi começar com voz e ar severos. Para que percebam que estão ali para aprender, e para ganhar e manter a autoridade, Mais tarde podemos brincar porque são ainda tão pequenos.
Incrível pensar que um dia fui assim. Tive a idade deles, um percurso semelhante. Infantário, pré-primária, escola primária.
Não me lembro como foi o meu primeiro dia, pouco recordo da Professora. Lembro o seu nome, as duas reguadas que me deu, o sabê-la ríspida, mas escapar normalmente aos seus castigos por ser dos bons alunos, em comportamento e notas.
Quero ensinar e inspirar estes meninos. Conseguir que aprendam tudo o que está no programa e que me vejam como um amigo e professor, o seu primeiro professor.
Se não me lembro do primeiro dia como aluno, sei que nunca esquecerei este dia como professor.

Obrigada pais por terem estado sempre ao meu lado e pelo vosso amor.

quinta-feira, setembro 13, 2018

Post 6839 - Concurso de Escrita - Divulgação

12ª CONCURSO Literário – “Até que a vida nos separe..."

A imagem pode conter: texto


- Prémio para o melhor TEXTO baseado no mote sugerido:
– Edição de um livro de Autor pela chancela da PAPEL D`ARROZ (Grupo Múltiplas Histórias).

Atenção - é um texto a concurso. Não deveremos atribuir limites de extensão nem formatação.
Só serão aceites trabalhos em prosa. 
12º Concurso Literário da PAPEL D`ARROZ EDITORA. 
Depois dos prémios já atribuídos nos nossos Concursos Literários
continuamos a acreditar que esta será a melhor forma de premiar o vosso talento e toda a vossa criatividade.

ATÉ QUE A VIDA NOS SEPARE…
Porque – tantas vezes é sempre a vida, o que nos separa…
Queremos histórias de vida; de AMOR; de DESAMOR; de ESPANTO ; de DOR; de FELICIDADE!
Histórias – onde os caminhos da vida e a sua força tiveram um papel principal
Histórias de partidas - de chegadas ansiadas
Histórias de saudades…
Histórias inventadas – vividas – imaginadas – escondidas – perdidas
HISTÓRIAS DE VIDA – até que a vida nos separe
Aqui fica o desafio
ATÉ QUE A VIDA NOS SEPARE
Regulamento Concurso Literário:
- Cada concorrente deverá enviar um texto sobre o tema ”Até que a vida nos separe…”
por mail (papellivros@gmail.com).
- O texto deverá ser enviado em formato word.
- O texto deve ser enviado com correcção ortográfica.
- Uma nota de Autor (pequena biografia).
- Uma foto.
- Os vossos TEXTOS deverão ser enviadas até dia 12 de Outubro de 2018
- Cada concorrente deverá enviar apenas um TEXTO
- Caso queiram adoptar um pseudónimo, deverão mencionar a vossa vontade no mail que enviarem com o texto a Concurso, se for o caso, quando procedermos à divulgação dos textos no Blogue, não será publicada a foto de Autor.
- Os vossos TEXTOS serão publicadas na página da PAPEL D´ARROZ e no Blogue Da PAPEL D´ARROZ EDITORA – após o dia 12 de Outubro de 2018.
http://editorapapel.blogspot.pt/
- Será sempre tida em conta aceitação e os comentários a cada texto, por parte dos seguidores da página da PAPEL D`ARROZ EDITORA e do Blogue da PAPEL D´ARROZ EDITORA.
(embora não seja um parâmetro de avaliação dos textos, por parte do júri)
O autor do TEXTO vencedor irá editar o seu livro com a PAPEL D´ARROZ EDITORA (sem qualquer custo para o autor).
https://www.facebook.com/pages/Papel-DArroz/174071119462541?ref=hl
http://editorapapel.blogspot.pt/
- O vencedor será notificado por mail e através dos canais de comunicação da PAPEL D´ARROZ EDITORA."

sábado, setembro 08, 2018

Post 6838 - Pela blogosfera

E por causa deste post no blogue Notas de Chá da Miss Smile
fui procurar o poema original e encontrei-o aqui:

You do not have to be good.
You do not have to walk on your knees
for a hundred miles through the desert repenting.
You only have to let the soft animal of your body
love what it loves.
Tell me about despair, yours, and I will tell you mine.
Meanwhile the world goes on.
Meanwhile the sun and the clear pebbles of the rain
are moving across the landscapes,
over the prairies and the deep trees,
the mountains and the rivers.
Meanwhile the wild geese, high in the clean blue air,
are heading home again.
Whoever you are, no matter how lonely,
the world offers itself to your imagination,
calls to you like the wild geese, harsh and exciting -
over and over announcing your place
in the family of things.

Mary Oliver
Wild Geese
 
           

Post 6837 - Livros

Ontem começou a Feira do Livro do Porto

Post 6836 - Livros 2018 (64) Coração Negro de Naomi Novik



Coração Negro de Naomi Novik

Wook.pt - Coração Negro


Sinopse no Site da Wook:
«O nosso Dragão não devora as raparigas que leva, independentemente das histórias que possam ser contadas fora do nosso vale. Ouvimo-las, por vezes, de viajantes que por aqui passam. Falam como se estivéssemos a fazer sacrifícios humanos e como se ele fosse um dragão verdadeiro. Claro que isso não é verdade: ele pode ser um mago imortal, mas não deixa de ser um homem, e os nossos pais juntar-se-iam e matá-lo-iam se ele quisesse devorar uma de nós a cada dez anos. Ele protege-nos contra o Bosque e nós estamos-lhe gratos, mas não assim tão gratos.»
Agnieszka adora a sua pacata aldeia no vale, as florestas e o rio cintilante. Mas o maléfico Bosque permanece na fronteira e a sua sombra ameaçadora paira sobre a vida da jovem.
O povo depende do feiticeiro conhecido apenas por Dragão para manter os poderes de Bosque afastados. Mas o Dragão exige um terrível preço pela sua ajuda: uma jovem deve servi-lo durante dez anos, um destino quase tão terrível como perecer a Bosque.
A próxima escolha aproxima-se e Agnieszka tem medo. Todos sabem que o Dragão irá levar a bela, graciosa e corajosa Kasia, tudo aquilo que Agnieszka não é, e a sua melhor amiga no mundo. E não há forma de a salvar.
Mas Agnieszka teme as coisas erradas. Porque quando o Dragão chega, a sua escolha surpreende todos..."
Gostei muito deste livro.

quarta-feira, setembro 05, 2018