domingo, outubro 17, 2021

Livros 2021 (23) A Autobiografia da Minha Mãe de Jamaica Kincaid

A autobiografia da minha mãe por [Jamaica Kincaid, Débora Landsberg]

 A Autobiografia da Minha Mãe de Jamaica Kincaid

"Uma história de amor, medo, perda e formação de caráter, um relato da evolução de uma mulher negra caribenha escrito por uma das autoras mais habilidosas da literatura contemporânea. Poderoso, perturbador e emocionante, este romance de Jamaica Kincaid conta a história de Xuela Claudette Richardson, filha de mãe caribenha e pai meio escocês e meio africano, moradora da ilha de Dominica. Sua mãe morre no parto, e a garota precisa então encontrar seu lugar no mundo sem o auxílio materno. Kincaid conduz o leitor pela vida de Xuela com extrema habilidade literária: da casa de sua infância, onde ela podia ouvir o canto do mar, e da sala com telhado de zinco onde mora como estudante, até sua casa da velhice. Seu mundo é intensamente físico, cheirando a frutas maduras, enxofre e chuva; e ferve com sua tristeza, sua profunda simpatia por aqueles que compartilham sua história, seu medo do pai e sua solidão arrebatadora. Com solenidade aforística, Kincaid explora todos os paradoxos desta história extraordinária, que, conclui Xuela, é ao mesmo tempo o testamento da mãe que ela nunca conheceu, da mãe que ela nunca se permitiu ser e dos filhos que ela se recusou a ter. “Jamaica Kincaid nos brinda com uma reflexão assombrosa sobre a vida, escrita com a prosa mais bonita que podemos encontrar na literatura contemporânea.” — The New York Times

JAMAICA KINCAID nasceu em São João, capital de Antígua e Barbuda, em 1949. Ganhadora de diversos prêmios literários, entre eles o Prix Femina e o PEN/Faulkner, atualmente mora com sua família em Vermont e dá aulas de história africana e afro-americana na Universidade Harvard, nos Estados Unidos." 

(gostei muito deste livro, de como está escrito, da proximidade com a narradora, da simplicidade aparente em frases que depois nos fazem pensar)

sábado, outubro 16, 2021

Receitas - post em construção

Empadão de atum (e bife para aquele de nós que não gosta de empadão de aum)

Bacalhau cozido
Bifes de peru com molho de natas e cogumelos e batatas fritas

quinta-feira, outubro 14, 2021

CNEC 57/29 - 5/10 A mudança da casa

         Não paravam muito tempo em casa até ao confinamento forçado pelo Covid. Terá sido talvez por isso que não estranharam os primeiros eventos.

Houve o fenómeno da lâmpada fundida. Única no hall, iluminava o hall da passagem para a cave e de acesso ao primeiro andar. À noite, quando chegaram a casa, tentaram liga-la e nada. Passaram com todo o cuidado na escuridão pesada pelo receio de um engano os levar a tropeçar para a cave. Helena avisou-o: “amanhã muda-a”. Logo pela manhã ia fazê-lo, mas ao carregar no interruptor acendeu logo. Aquilo repetiu-se por três vezes e continuou, mesmo quando mudou a lâmpada e depois o candeeiro. De manhã quando não era precisa, tinham luz, à noite, não.

Outros utensílios e o televisor falhavam. Nenhum técnico detectou qualquer problema. Passaram a comer apenas sandes porque o fogão e o micro-ondas entraram no mesmo esquema.

Durante a noite, o seu sono era assaltado por ruídos estranhos que cessavam assim que despertavam.

Começaram depois a notar que os quartos e a sala se estreitavam, reduzia-se o espaço entre móveis e da passagem por entre eles.

Helena passou a insistir com ele - tinham de mudar-se!

Ele estava mais renitente, pensava nas despesas.

Até ao dia em que quando estava no supermercado recebeu uma chamada dela. Pensou que haveria algo que ela queria acrescentar à lista e atendeu mal tocou. Ouviu-a respirar.  Adivinhou o pedido de socorro. Largou o que ia comprar e veio a correr para casa. Na mesa da sala ainda estava aceso o cigarro que ela tinha estado a fumar, o sofá retinha algum do calor do seu corpo, mas Helena tinha desaparecido.

A casa parecia assombrada ou viva e não os queria ali.

Saiu de lá a correr e mudou de casa.

Continua à espera que Helena apareça.

quarta-feira, outubro 13, 2021

Terça-feira, 12.10.21

 Pelo Porto e em cidade local de trabalho voltou o VERÃO!

terça-feira, outubro 12, 2021

segunda-feira, outubro 11, 2021

Receitas - post em construção

 

Pescada e salmão assados no forno com batata, cenoura e cebola
Pastéis de bacalhau:
- Cozer o bacalhau (deitando em cima dele e de um alho esmagado e fio de azeite, água a ferver), tirar a pele e espinhas e esfiá-lo; cozer o mesmo peso em batatas em água e sal; noutra panela, cebola e alho picados e azeite, juntamos a batata e o bacalhau e três ovos mexidos com sal, pimenta e salsa - formar os pastéis e fritar em óleo;
Jardineira de frango

domingo, outubro 10, 2021

Divulgação Concurso da Quinta Essência da Leya

Ver melhor em:

@quintaessencia.leya

"Para participar, apenas tens de:

✅partilhar connosco uma fotografia no teu perfil de Instagram de uma ou mais pilhas de livros da Quinta Essência. Atenção, apenas contam fotografias com livros exclusivamente da chancela e as fotografias deverão ser tiradas nos vossos cantinhos de leitura habituais! Valem até “mini pilhas” de 2 livros apenas!⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

✅partilhar esta publicação nas tuas Instastories (identificando-nos!);

✅seguir a página de Instagram da Quinta Essência;

✅identificar três amigos nos comentários desta publicação.)

Divulgação

 Livro

A antologia "Filhos de Um Deus Menor" é uma realidade. Já se encontra disponível nos sítios da Amazon 

https://www.amazon.es/dp/B09HPPJGVM/ref=monarch_sidesheet


CapaV5.png

sábado, outubro 09, 2021

Closer = Kaae & Batz feat Maria Holm Mortensen = LEGENDADO PORTUGUÊS


 Come on closer

The Echo sings for you
And I will find you
Rain fall on this town
As you fall into the lake
It's dark inside you
Into the water, into the water we sink
Come on closer
The water runs right through
The circles we drew
And they are drops dancing in our blue
The water comes for you
As I will comes for you, too
Rain fall on this town
As you fall into the lake
It's dark inside you
Filled with just water, into the water we sink
Rain fall on this town
As you fall into the lake
Into the water, into the water
Rain fall on this town
As you fall into the lake
Into the water, into the water we sink
As the rain keeps falling
I will find you, I'll find you
And I will find you, and I will find you
I will find you, I'll find you, I'll find you
I will find you, and I will find you
I will find you, I'll find you
Rains fall on this town
As you fall into the lake
It's dark inside you
Into the water, into the water
Rains fall on this town
As you fall into the lake
Into the water, into the water
Into the water, into the water we sink

sexta-feira, outubro 08, 2021

quarta-feira, outubro 06, 2021

Post 8233 - CNEC 57/29 - 4/10 Catarina

 

Catarina repetiu:

- Saia na saída!

Tinha quase a certeza que ela estava enganada. Já não vinha para aquelas bandas há anos, mas juraria que a saída era mais à frente.

Resolveu arriscar e continuou.

Catarina ficou calada por instantes, talvez baralhada por aquela desobediência imprevista. No entanto, rapidamente terá reformulado o que estava a pensar, ordenando:

- Faça inversão de marcha!

Ele continuou.

- Contorne a rotunda e saia na quinta.

Ele saiu na segunda.

Catarina ficou calada. Estranhamente não insistiu. Algo se passaria. Olhou para o visor. No ecrã, o pequeno carro cinzento que o representava tinha deixado a estrada e seguia agora pelo campo.

Olhou em redor, a estrada parecia nova.

Tinha-se enganado no caminho e a Catarina não podia ou não queria mais ajudá‑lo. Desligou-a.

Estava sozinho.

Definitivamente aquela era uma estrada nova, o alcatrão reluzia, nas bermas ainda não cresciam ervas e as árvores poupadas no desenho a régua, mantinham a distância regulamentar de três metros.

Pareceu-lhe tudo muito monótono.

A condução e a paisagem deram-lhe sono.

Resolveu ligar novamente o aparelho.

Regressou a imagem. O carrinho cinzento continuava a atravessar o campo. Descobriu que seguia em paralelo com a estrada antiga, aquela pela qual queria ter tido. A Catarina mantinha-se em silêncio. Devia ter amuado. A certa altura aquilo começou a chateá-lo. Parou na berma e decidiu procurar a voz masculina que substituiria a Catarina. Não se apercebeu do camião que vinha atrás com um condutor distraído a enviar mensagens, até se dar o embate.

Ele não sofreu nada, só o choque. Quando chegaram os socorristas ouviram-no a culpar a Catarina por ter ido pelo caminho errado, tinha-o chateado a querer ter sempre razão. Um deles pensou em ir procura-la até o colega lhe dizer quem era, ou melhor, o que era a Catarina.

 

 Missa em 5.10.21

Marta e Maria


Cidade de Nime

terça-feira, outubro 05, 2021

segunda-feira, outubro 04, 2021

Free Guy

 Free Guy de Shawn Levy, com Ryan Reynolds e Jodie Comer

cinema :: Free Guy: Herói Improvável

domingo, outubro 03, 2021

Cinema - The Colony

 The Colony (Tides) de Tim Fehlbaum, com Nora Arnezeder e Iain Glen

 

sexta-feira, outubro 01, 2021

Post 8227 - CNEC 57/29 - 3/10 O convite

 O convite

 

O envelope em papel fino e trabalhado aguardou na caixa do correio todo o fim-de-semana.

Fora entregue em mão numa altura não esperada.

Misturado com a publicidade sobressaiu quando abriu a caixa.

Não tinha remetente.

Abriu-o com um corta-papéis há muito não utilizado.

De lá saiu outro envelope menor, este não estava fechado e no seu interior guardava um cartão:

“Carlos e Diana têm a honra de o convidar para o seu casamento”

Teve de se sentar.

Como era possível?

Fora há muitos anos que o destino se cruzara com o da Diana. Na altura ela era uma criança, uma menina de três anos de idade. O pai dela trabalhava perto e soubera do seu pedido de ajuda por um colega. Mal se conheciam, mas como outros lá no escritório resolvera fazer o teste. A probabilidade era tão reduzida que ficou surpreendido quando o contactaram. Tudo fora feito anonimamente e ele podia ainda rejeitar a doação, mas foi em frente. Não lhe custou muito, foi mais o receio de como seria.

Depois, mantendo-se o anonimato, quis saber se tudo teria corrido bem. Foi então que os pais dela descobriram que tinha sido ele o doador. Encontraram-se por acaso no Hospital e ficaram os três em silêncio, sem palavras, mas emocionados.

Tinham mantido o contacto à distância. Ia sabendo dos passos importantes da vida dela. A ida para a escola, o curso. A mãe dela ligava-lhe sempre pelo Natal. Entretanto ele tinha tido a sua dose de problemas, passara por um divórcio e já estava reformado. No último ano ganhara um neto que tencionava “estragar”, permitindo-lhe tudo.

A Diana devia estar com vinte e cinco anos. Ia casar-se! E também não o esquecera.

Claro que iria. Celebraria a vida dela e um acto que dera sentido à sua.

quinta-feira, setembro 30, 2021

Possibilidade de se participar em Colectânea - Divulgação

 "LUGARES E PALAVRAS DE NATAL – VOLUME X

Coletânea de poemas e contos 2021

Este Natal chegamos ao Volume 10! E queremos contar consigo! Participe!

REGULAMENTO

1. O prazo de inscrição para participação na coletânea LUGARES E PALAVRAS DE NATAL e envio de textos decorre até 27 de outubro de 2021.

2. Os textos devem ser enviados em suporte informático (tipo word) e remetidos para editora@lugardapalavra.pt

3. Serão admitidos textos do género lírico (poemas) e narrativo (contos).

4. Cada autor poderá participar com um ou vários textos, que pode(m) ocupar até um máximo de quatro páginas, sendo que cada página corresponde a um conjunto de 1700 caracteres (incluindo espaços) ou 1400 caracteres (sem espaços), para os contos, ou 30 linhas de verso (incluindo espaços de transição de estrofe e eventuais versos demasiadamente longos).

5. A ordem de publicação obedecerá a um critério a definir, posteriormente, pela organização.

6. Os autores podem utilizar pseudónimo, embora sejam obrigados a identificar-se e o seu nome ser incluído na breve biografia a constar do livro.

7. Os autores devem enviar uma curta nota biográfica, que será publicada, com um máximo de 600 caracteres, incluindo espaços.

8. O tema de todos os textos é o Natal e/ou os valores à data associados.

9. No caso de a organização entender que o número de participantes não é suficiente para a edição do livro, os textos serão publicados on.line no site da editora Lugar da Palavra, em www.lugardapalavra.pt e enviado um exemplar em formato pdf a todos os participantes. A organização é soberana na seleção dos textos a incluir na obra.

10. A obra estará disponível em vários pontos de venda, com um preço de venda ao público (PVP) a definir em função do número de páginas, sendo certo que os autores beneficiarão de vantagens na sua aquisição diretamente à Lugar da Palavra Editora. Os autores selecionados obrigam-se a adquirir pelo menos um exemplar da obra.

11. Todos os textos serão alvo de revisão, com vista a apresentar um trabalho da maior qualidade possível, comprometendo-se, obviamente, a organização a nunca desvirtuar o original do autor.

12. Os participantes disponibilizam os seus textos exclusivamente para a presente publicação, sendo- lhes, obviamente reconhecido o seu direito de autor (pelo qual assumem essa responsabilidade), mas não serão pagos quaisquer direitos patrimoniais. Ou seja: o participante envia textos da sua autoria (se já publicados, com a respetiva autorização competente) e cede-os exclusivamente para o fim em questão, não resultando da sua publicação a obrigação da editora de pagamentos de direitos patrimoniais ao autor.

13. Será constituído um Conselho Editorial formado por três elementos.

14. A participação implica a aceitação de todos os termos do presente regulamento.
15. Os casos omissos serão resolvidos pela organização"

Post em construção

 Omelete de chouriço

e Omelete com chouriço, cebola e três pimentos 





quarta-feira, setembro 29, 2021

CNEC 56/28 - 10/10 O dia mais longo de sempre

O que torna um dia o mais longo de sempre?

 

O número de horas em que estamos acordados, a intensidade com o que o vivemos, ou o recordarmos anos depois, apesar de que enquanto o vivíamos não tínhamos a consciência da sua importância?

Vou escolher um dia com significado para mim e não para o mundo em geral, como seria por exemplo o dia 11 de Setembro de 2001.

Há alguns anos acordei de madrugada sem precisar de despertador (o que é raro em mim, normalmente preciso de dois despertadores). Tomei duche e vesti um vestido preto mais formal que escolhera de véspera.

Apesar de ter ficado no frigorífico o leite estragara-se e bebi só café.

Estava sol e calor para mesmo no Porto não ser preciso levar um casaco.

Apanhei o autocarro e a viagem demorava cerca de uma hora. Por estar nervosa, embora não o mostrasse, não aproveitei para dormir, como às vezes fazia, depois de encontrar um lugar no andar em cima.

Cheguei cedo.

Sempre que se abria a porta para chamar ou sair alguém o nervosismo aumentava.

Fui das primeiras a apresentar o trabalho. Correu-me bem e soube da boa nota antes do almoço (partilhei depois em casa), mas fiquei por lá porque um dos amigos do meu grupo ainda ia apresentar o seu.

Almocei um pão e fiquei com ele e outros colegas até ao final da tarde, falhando o lanche, a refeição mais importante do dia para mim.

No regresso, sentia-me física e mentalmente cansada, por ter dormido e comido pouco, mas também vazia e expectante. Assim terminava o meu curso, no início do Verão. No final das férias, já não voltaria ali, e com sorte, estaria a ingressar no Mundo do trabalho, sem saber bem ainda qual viria a ser a minha profissão.


terça-feira, setembro 28, 2021

Receita - post em construção 1ª tentativa de moqueca de peixe (com camarões, pescada e salmão)

 - cebola e alho picados em azeite;

- camarões;

- pimenta e sal;

- quadradinhos de pimento verde, amarelo e vermelho;

- tomate pelado;

- 20 colheres de leite de coco, açafrão - peixe lá para dentro, antes temperado com sumo de limão; coentros por cima;

A acompanhar arroz branco.


segunda-feira, setembro 27, 2021

CInema - Reminiscência

 Reminiscência (Reminiscence) de Lisa Joy, com Hugh Hackman, Rebecca Ferguson, e Thandiwe Newton



Hoje no Google

 

Aniversário do Google

sábado, setembro 25, 2021

Sobre as Eleições:

 Depois de ter comentado com N que a sua secção de voto era melhor que a minha (na minha vão as Marias todas e há sempre uma fila enorme)

N respondeu-me num email com Concordo

e com uma fotografia do brunch da secção 11:

(a fotografia é de uma mesa com um brunch super completo)

Se arranjassem mesas assim em todas as secções talvez a abstenção diminuísse...

Receitas - post em construção

 Frango e batatas fritas com molho de natas e cogumelos



sexta-feira, setembro 24, 2021

quinta-feira, setembro 23, 2021

CNEC 57/29 - 2/10 - A atracção dos opostos

 

 Poderá ser que os opostos se atraem?

Ou com a convivência cada vez mais se repelem?

Ela e o Vasco não poderiam ser mais diferentes. Sempre que se encontravam no grupo de amigos que tinham em comum, pareciam o cão e o gato, ou o cão e uma gata super gira e certa. Se ele queria carne, ela queria peixe, se ele criticava o governo, ela manifestava-se contra a oposição. Eram de partidos diferentes, clubes rivais, tudo era motivo para discutirem. Quando a sua melhor amiga começou com a história que tanto ódio ia dar em amor, quis torcer-lhe o pescoço à amiga e a ele, que se riu do comentário, mas riu-se com ar trocista, que raiva.

Nunca adivinharia que ela poderia estar certa.

Como por magia, de repente começaram a parecer-lhe absolutamente irrelevantes os partidos e clubes e só o Vasco brilhava. Mais incrível ainda ele ter caído sob o mesmo sortilégio. De um dia para o outro estavam a morar juntos, apanhando de surpresa até a amiga que vaticinara o romance.

Foram imensamente felizes durante três meses até que voltaram as discussões.

A última e decisiva começou com o comando de televisão. Como um estereotipo ele queria ver o jogo de futebol, enquanto ela queria ver, não a telenovela, mas um debate político. Só tinham uma televisão, ainda sem contrato com qualquer operadora não poderiam gravar o seu debate e ele insistia que também não faria sequer sentido gravar o jogo.

A zanga atingiu tal dimensão que saíram os dois de casa, batendo a porta, e deixaram de se falar.

Mas à medida que o tempo passava começou a sentir falta dele, até das discussões.

Foi então que recebeu uma encomenda dele e lá dentro, vinha o comando.

Voltaram a viver juntos, mas antes arranjaram duas televisões.

 

quarta-feira, setembro 22, 2021