sexta-feira, novembro 22, 2019

CNEC - Desafio de Escrita 7/10 - O Jogo





Atirou os dados e eles rolaram pela mesa, cubos brancos imperfeitos de bordas meio arredondadas e pontos negros decisivos.
Quando pararam, a soma dos dois ascendia a três, apenas três.
Estou perdido, pensou. Apostara tudo, até o amor da Marta.
O seu adversário saboreava já a vitória quando também os largou.
“Alea jacta est”, a sorte está lançada.
Correram os cubos sobre a mesa e o impossível sucedeu, na face de cada um, central e único ponto negro.
- Perdi! Balbuciou o outro surpreendido e derrotado.
- Ganhei, proferiu quase para si próprio. Não foi proporcional o alivio ao desespero que o antecedera.
Tinha de contar à Marta e contou-lhe, “apostei-te”.
Quando finalmente convencida que era verdade, ela fez a mala, não o escutou e deixou-o como um último olhar de desdém: “não sou uma coisa”.
Não o era para ele, mas a paixão pelo jogo fora mais forte.
E com maior dedicação se agarrou a ela.
Podia ter perdido tudo, mas ganhou. Não uma fortuna, mas o suficiente para pagar as dívidas e iniciar um pequeno negócio.
Jurou manter-se longe dos casinos. Apostou para si mesmo que recuperaria a Marta, mas ela não voltou e ele deixou de cumprir a sua promessa.

2 comentários: