quarta-feira, junho 15, 2016

Post 5697 - 4/10 A noiva vestia de preto

A noiva vestia de preto.
Apenas esse podia ser o título para o seu livro. Até que descobriu que já tinha sido usado, inclusive num filme e apesar da história do filme ser bem diferente do que tinha pensado escrever, o ocorrido desmoralizou-o e desistiu de escrever o livro.
A sua vida estava recheada de situações assim.
As grandes ideias que tinha, revelavam-se sempre não originais.
Até o seu nome: Antenor.
A avó criou-o até aos seis anos e era assim que o tratava. Acreditou ser Antenor até ir para a escola com essa idade. Aos seis anos descobriu que estava registado como António porque no registo recusaram o nome escolhido. A avó continuou a chamá-lo Antenor. Era António para todos os outros.
Aos vinte anos apaixonou-se loucamente por uma mulher, a Yara Lis, que não parecia corresponder aos seus sentimentos.
A Yara Lis aceitou, depois de muitos convites, ir jantar com ele.
A dada altura, estavam já na sobremesa, pudim de laranja, ele, e salada de frutas, ela, confessou-lhe que não era esse o seu nome, chamava-se simplesmente Ana, nada original, afinal.
Acabaram por casar e ele continuou a chamar-lhe Yara Lis, excepto quando discutiam.
Acordaram em chamar às filhas, Açucena e Amarílis, nomes aceites no registo.
As filhas hoje adultas e o seu maior orgulho, a começar pelos seus nomes, tão raros e belos quanto elas, amigaram-se e foram morar para outras casas, aguardando que um destes dias lhe arranjem um neto.
Alimentou o sonho de ser original, até começar a perceber que já o era, para a Yara Lis, para as filhas e amigos, inconfundível e especial, mesmo sem ter escrito um livro e quer lhe chamassem Antenor ou António, e com essa ideia a acalentá-lo, apagou a luz e foi deitar-se ao lado da Yara Lis.


2 comentários:

  1. Acho que com este tema deveria ter conseguido algo mais original...talvez um destes dias volte a tentar :)

    ResponderEliminar