domingo, dezembro 27, 2015

Post 5340 - 1/08 A Sala de espera

“…A sala de espera é pequena não cabe quase ninguém, uma dezena de cadeiras distribuídas como quem espera o barco que vai de saída. Um ar condicionado que sopra ruidosas lufadas num ar já viciado nos odores que por aqui vão passando. Uma máquina avariada, desmaiada na parede, onde se lê “Procure aqui o seu emprego”.
Maria sentou-se na última cadeira vaga, a grande barriga pesava-lhe e segurava o mais novo pela mão. A Ana, a mais velha foi dar o nome da mãe. Ouvia a sua voz fininha com o “se faz favor” que lhe ensinara, “para a Maria Silva, ainda demora muito?” Sentiu orgulho na sua menina. Quando ela voltou, beijou-a na bochecha direita, deixando-a corada enquanto repetia o que lhe tinha dito a senhora, “é já a seguir”.
O já a seguir demorou muito, mais de meia hora, em que teve de entreter o Pedro. Deu-lhe uma bolacha, deixou-o sentar-se no chão e conseguiu que ele não fizesse uma birra. Os que antes estavam na sala foram sendo chamados e prontamente substituídos pelos que entravam de novo. Não sabia se seria bom ou mau que se despachassem tão depressa. Quando a chamaram, deixou a Ana a tomar conta do irmão.
Entrou para a pequena sala, quatro por quatro metros, atafulhada com uma estante pesada e uma grande secretária que a tornavam ainda mais pequena. Sentou-se na cadeira enquanto olhava para o homem gorducho à sua frente. Era capaz de apostar que a barriga dele era maior do que a sua. Ele tinha uma capa aberta sobre a mesa, talvez o seu processo, mas estava absorto a olhar para o computador. Maria tossiu para anunciar a sua presença. Sem a olhar ele fez-lhe um gesto para que aguardasse. Mais alguns minutos passaram até que se dignou desviar o olhar para ela: “Então Maria Silva, não é?”. Maria assentiu e esperou.
“Para quando é?” Ele perguntou, levantando o queixo em direcção à sua barriga.
“Este mês”. Respondeu-lhe.
“Está com sorte” ele continuou, “para daqui a dois meses é precisa uma ama e a cliente não se importa que leve os seus filhos. Está interessada?”.
Claro que estava. Agarrou no papel que ele lhe estendia, e saiu, ainda meio atarantada, multiplicando-se nos “obrigada”.
Quem diria que naquele dia ia ter sorte.
Saiu da Agência, com a oportunidade de emprego prometida na parede, e com os filhos, um de cada lado.

5 comentários:

  1. Uns com tanto e outros a alegrarem-se com tão pouco...

    Beijos, redonda. :)

    ResponderEliminar
  2. Bela estória e com um final feliz, mesmo como eu gosto :)

    ResponderEliminar
  3. Obrigada MAG, também goto de finais felizes :)

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar