quinta-feira, junho 15, 2017

Post 6264 Para Concurso de Escrita - A minha vida dava um filme

A minha vida quando muito poderia dar um mini-conto bem chato, por isso, irei buscar inspiração para a minha vida dava um filme, à vida da minha avó materna, Manuela da Conceição Andrade Coelho.

Nasceu em Lisboa, a 17 de Junho de 1899, signo gémeos do Zodíaco, serpente no Horóscopo Chinês.  A sua mãe Luísa Barnabé era filha de um juiz, ficou à espera da filha sem ser casada e foi expulsa de casa pelo pai Juiz. A mãe dela e os irmãos visitavam-na às escondidas.
Sustentou-se a si e à filha como costureira. Desde manhã cedo até ao final do dia usava espartilho. Vestia também sob a saia, uma outra  azul escondida por ser monárquica.
O pai da minha avó, Joaquim Guilherme Andrade Coelho, professor de francês, perfilhou a filha, assim como tinha perfilhado uma filha mais velha, Laura Flávia e perfilhou depois o filho Vítor que teve com uma outra senhora. Não era adepto do casamento e só no final da vida é que casou com a mãe do último filho.
A minha avó teve uma educação esmerada, fez a 4ª classe, aprendeu  francês e a tocar piano, sabia cozinhar, coser, cerzir, tricotar e bordar (ensinou-nos ponto baixo, alto e de arroz, ponto de cruz e pé de flor) e morou com a sua mãe até aos dezassete anos, depois teve de ir morar para casa do pai, onde também residia a mãe deste.
Quando foi morar com o pai ele estranhou os "mimos" com que a mãe a tinha criado, frustrado com o facto dela não comer atirou-lhe com um prato (mas não lhe acertou).
A minha bisavó, sua mãe, morreu aos quarenta anos, penso que do coração, quando a minha avó tinha dezoito anos e ela fechou-se no quarto a chorar e sem comer durante dias.
Na casa do pai, a minha avó ia com a criada às compras e a minha trisavó, sua avó, reclamava depois que ao contrário dela, não sabia ser bem servida no Talho, tendo‑lhe retorquido a minha avó que isso sucedia porque o homem do Talho gostava dela. Foi uma tragédia, "caiu o Carmo e a Trindade" a minha trisavó gritou e queixou-se ao filho, que ela era viúva desde jovem e nunca mais tinha olhado sequer para homem nenhum.
A minha avó era muito bonita, tinha o cabelo muito escuro, olhos cinzentos e uma pele muito branca (a sua mãe Luísa Barnabé tinha o cabelo louro escuro e olhos azuis).
O meu bisavó, seu pai, dava-lhe pouco dinheiro para os seus alfinetes. Ela queria comprar um chapéu e ele dizia-lhe que usasse mantilha, que as senhoras de bem andavam com mantilha, aí ela arranjou emprego numa loja de roupa para senhoras, passava chapéus como modelo e conseguiu dinheiro para o chapéu.
Teve um primeiro noivo que era um rapaz rico e de boas famílias e morreu com uma pneumonia.
Ficou depois noiva de um rapaz que era oficial da marinha e tinha uns bigodes compridos.
Estava a fazer compras para o enxoval quando conheceu o meu avô, Eugénio Beltran Pepe.
O meu avô nasceu em Serpa, era o mais velho de vários irmãos. O seu pai, foi guarda fiscal e ganhava pouco, por isso com onze anos o meu avô foi trabalhar para uma loja em Castro Verde, até que a família se mudou para Algés e começou a trabalhar em Lisboa.
Era uma pessoa muito especial, tinha muitos amigos a quem era capaz de dar a camisa que vestia. Nas fotografias vejo-o como um ar simpático, bonito e para o louro. Devia ser um sedutor para ter conseguido arrebatar a minha avó e fazer com que deixasse o noivo número dois.
Casaram e tiveram um primeiro filho, Manuel, que morreu ao nascer. Depois tiveram uma menina de olhos azuis a quem chamaram Luísa. 
Uma das irmãs mais novas do meu avô, Valentina, contraiu  tuberculose - era jovem, bonita e gostava de cantar imitando cantores de ópera - e morreu com vinte e poucos anos. Antes de morrer infelizmente contagiou a sobrinha que teve meningite tuberculose. A minha avó tinha uns óculos especiais de protecção para estar com a filha quando se tentou salvá-la com radiação ultra-violeta. Não foi suficiente e a Luisinha morreu quando ainda não tinha dois anos de idade.
Depois tiveram a minha mãe, Eugénia que cresceu saudável, andou no colégio alemão e tinha tranças louras. O seu cabelo foi escurecendo e chocou as tias ao cortá-lo curto. Um dia conheceu o meu pai, transmontano a trabalhar então em Lisboa. Casaram e foram viver para o Norte. Tiveram três filhas que nasceram todas em Lisboa.
O meu avô morreu quando eu tinha seis meses. Pelo que me contaram, os meus avós eram diferentes mas completavam-se, gostaram sempre um do outro e eram muito amigos. 
Eu conhecia-a como  minha avó,  a vestir-se de escuro, com um carrapito, linda (de manhã penteava o cabelo comprido de prata e arranjava o carrapito). Contava-nos histórias, fazia-nos cafuné para que dormíssemos a sesta, dava-nos chi-corações - não havia nenhum abraço como o dela.
Íamos esperá-la à estação de S. Bento ou íamos ter com ela a Lisboa. A sua casa ficava na Avenida Duque de Ávila - um andar arrendado, o 1º esquerdo do nº86 (o prédio já não existe - naquele prédio os vizinhos eram amigos) com um corredor comprido cheio de coisas misteriosas para descobrirmos, como o cavalinho de pau guardado na despensa, a casa de banho com chão de losangos pretos e brancos e tina com pés, o quarto com a janela para uma rua estreita e escura, a sala com uma pele de leão e o piano. 
A certa altura passou a ficar connosco mas sempre com saudades de Lisboa, dos seus amigos e da sua casa. E estava connosco quando morreu do coração.



9 comentários:

  1. Gostei de conhecer a história da sua avó.
    E gostava de saber mais sobre este concurso.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Obrigada Elvira
    Vou deixar o linK aqui e irei também indicá-lo no 6ºfeira, o prazo terminava dia 12, mas talvez enviando já algum possa ser ainda aceite

    O link é este: http://dona-redonda.blogspot.pt/2017/05/post-6232-concurso-de-escrita.html
    um beijinho

    ResponderEliminar
  3. Não me apercebi do post, e agora já está fora de prazo.
    Finais felizes, é o que toda a gente pede. Mas de vez em quando eu tenho necessidade de escrever algo diferente. E esta é diferente. Depois voltaremos aos finais felizes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou tentar continuar a divulgar aqui estas iniciativas :)

      um beijinho

      Eliminar
  4. Ó páh isto das famílias dão histórias bestiais!!
    Gostei da tua ;)

    Bjinhos querida

    ResponderEliminar
  5. Acho que deu para entender que a L.Maria sou eu, a Golimix =)

    Tive que criar aquilo para quem não tem a hipótese de colocar o URL ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Lina :) como li os dois comentários de seguida não sei se iria entender que eras tu lendo só o primeiro, mas agora já fico a saber :)

      um beijinho

      Eliminar
  6. Uma belíssima história de família!
    Pneumonia... tuberculose... também tive algumas baixas familiares em tios avós, por contas delas... antigamente tanta gente morria disso...
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar
  7. Infelizmente muitas famílias terão passado por isso-
    Obrigada, Ana
    um beijinho

    ResponderEliminar