quinta-feira, abril 14, 2016

Post 5570 - 08/10 Encontro no supermercado


Não era a primeira vez, nem seria a última com certeza, que acreditava ter visto alguém que conhecia, para descobrir depois um desconhecido, pouco ou nada parecido, mas era capaz de jurar que tinha visto o Luís, o seu primeiro namorado, no corredor mais ao fundo
Não tinham tido nada sério, e eram tão jovens que se tinham simplesmente afastado quando o verão terminou.
Não foi capaz de sair com aquela dúvida, mesmo já tendo tudo o que queria comprar, e quis confirmar se era ele, encetando quase uma corrida, com o carrinho das compras, apenas travada pelas pessoas que enchiam o supermercado, naquela noite de sexta-feira.
Não queria desistir, apesar de não conseguir encontrá-lo e até pensou se ele teria passado por ela e ido para a zona das caixas, mas é então que o vê, de costas para onde ela estava, de frente para o balcão da charcutaria.
Não hesitou e tocou-lhe no ombro para lhe chamar a atenção, no meio da confusão de pedidos: “Luís”.
Não era ele, pensou primeiro, quando ele se virou, mas depois apercebeu-se que era, sim, apesar de mais velho dez anos, que nele pareciam vinte.
“Não podes ser tu, Ana?” disse-lhe ele enquanto a abraçava.
Não conseguiu evitar pensar se também notaria nela como os anos tinham passado, esperando que pelo menos não lhe parecesse, que em dez anos tinha envelhecido vinte.
Não se largaram o resto da noite, jantaram e ficaram a conversar quase até à uma da manhã e só se despediram depois de trocarem contactos e com a promessa de se voltarem a ver em breve.
Não iam voltar a estar juntos, mas continuavam a guardar com carinho a recordação de um tempo em que tinham sido felizes, um com o outro, e com o mundo.

11 comentários:

  1. Com frequência a felicidade aconteceu no passado... e com frequência já não volta.
    Pimenta e ouro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O melhor será tê-la no presente
      um beijinho

      Eliminar
  2. Há pessoas e circunstâncias que estão melhor no passado mas que não fazem mossa se cruzarem o nosso presente. No entanto, a ter reencontros com o passado, antes um passado que nos traga sorrisos como neste texto ;)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Completamente de acordo e agora lembrei-me do conto de Natal de Charles Dickens, dos fantasmas que o visitavam, do Natal passado, do Natal presente e do seria o Natal do futuro :)
      um beijinho

      Eliminar
  3. Acreditas que já me aconteceu precisamente isto, sem a parte do jantar? Apenas um boa conversa para matar saudades e um «até sempre» como se o passado fosse já ali...

    ResponderEliminar
  4. A realidade a copiar a ficção ou a ficção a copiar a realidade, à excepção do jantar :) (a mim não me aconteceu, mas como sou míope podia estar a passar mesmo ao lado e nada ver :)

    ResponderEliminar
  5. Um tema interessante, muito bem escrito e "apresentado" (o que permite uma leitura agradável à vista, que é importante), natural, sem qualquer tipo de exageros !
    Estou a gostar da tua maneira de escrever, Gábi !

    Beijo ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Rui, por teres lido e por comentares, as tuas palavras são um óptimo incentivo para continuar a escrever e têm muita importância para mim
      um grande beijinho
      Gábi

      Eliminar