sexta-feira, abril 30, 2010

Reflexão Profunda 304

Por referência ao post anterior: consigo ser zen numa estrada deserta, com bom tempo e música...

Reflexões profundas 303

Sempre que penso que até não sou má pessoa, basta entrar dentro de viatura e conduzir alguns metros durante breves segundos para cair na realidade. Devo ter ficado com algum trauma de quando andava a aprender a conduzir e era completamente trenga (agora sou só relativamente). O primeiro instrutor (pelo que me lembro, tive mais três, mas nenhum como o primeiro) era enorme, silencioso e assustador. A única vez que senti alguma simpatia da sua parte foi quando um outro veículo veio contra nós. Saiu lá para fora para vociferar contra o outro que assumiu logo a culpa e naquela altura ter-me-á olhado não como instruenda inapta mas como eventual testemunha do seu lado. Foi um momento de partilha significativo. A frase que ele mais me repetia era "Mexa-me esses braços". Ele tinha como prática na última aula antes do exame pegar num jornal e começar como que a lê-lo, de forma a demonstrar a confiança que tinha no futuro ex-aluno. Eu aproveitei essa situação libertadora para passar um vermelho...deu para comprovar que ele não estava mesmo a ler o jornal.
Estranhamente não passei à primeira (comecei de forma inexplicável a confundir a esquerda com a direita, o que antes nunca me tinha sucedido, e fiquei logo arrumada quando o "Engenheiro" me disse para virar à esquerda e eu virei à direita ou o contrário). E também não passei à segunda (aí, já mais desenvolvida como condutora, foi o estacionamento numa rua inclinada que me tramou) mas só à terceira.
Voltando ao trauma, como fui muito buzinada, claro que agora naturalmente tenho problemas de aceitação quando vejo outros condutores a serem trengos ou espertos (no sentido de andarem a dar o golpe, acelerarem para não ceder a prioridade, etc.) sobretudo neste último caso, porque deviam ser estes os que me buzinavam antes. Por isso, pegando no carro, não consigo ficar zen e pacífica em relação à humanidade em geral, começo a excluir outros condutores desta categoria (da humanidade, mesmo) e logo tenho de me excluir também por não o ter conseguido.

Reflexões profundas 302

Nos últimos tempos tenho andado a ler muitos posts em vários blogues.

Conclusões destas deambulações:

- A blogosfera está cheia de pessoas inteligentes, cultas, com sentido de humor e originalidade que se fartam de escrever;

- O que é absolutamente deprimente.

Pelo menos está calor, sol e vem aí o fim-de-semana

quarta-feira, abril 28, 2010

Mais um post sobre o livro

Ontem à noite, o Sr. Dr. Rui Vicente falou no nosso livro, no programa em directo "Será assim tão difícil?" do Porto Canal, com repetição hoje às 13.00 horas. Disse que escrevíamos por paixão até porque o valor dos direitos de autor será entregue à AMI (agora espero que haja algum valor para ser entregue...).
.
.

segunda-feira, abril 26, 2010

Considerações Profundas 33

A alternância de temperaturas altas e baixas no mesmo dia e em dias seguidos é óptima para não nos cansarmos do calor e continuarmos a desejá-lo.

Parece que amanhã também vai estar um dia quente...seria bom poder passá-lo na praia a dormir, ou numa esplanada a dormir, ou o contrário, mas a dormir.

domingo, abril 25, 2010

Feira do Livro de Braga de 24 de Abril a 2 de Maio

O Grande Prémio de Literatura DST foi entregue ao poeta Manuel Gusmão, pela sua obra “A Terceira Mão”.

Sexta feira, 23 de Abril

sexta-feira, abril 23, 2010

23 de Abril

Hoje é o Dia Mundial do Livro
Para comemorarmos o dia parece-me que seria uma óptima ideia arranjar um...
No site da Bertrand fiquei a saber que vão libertar hoje 300 livros (ou já libertaram) em diversas cidades do País e dão pistas onde. Não sei se já terão sido todos encontrados, mas estou demasiado preguiçosa para ir à procura de algum...ainda mais porque não sei se depois de todo o esforço de raciocínio e físico necessário, alguém não teria chegado lá primeiro, ou não teria já o livro em causa ou não o quereria ter...

Neste próximo Sábado

Na comunidade de leitores da Almedina, Arrábida, irá estar Rui Zink.
O seu livro que deveria ter lido, mas ainda não li: "O Destino Turístico".
Vou tentar ler o livro até lá para merecer ir.
.

quinta-feira, abril 22, 2010

Ilustrarte 2009

Hoje, pela hora do almoço fui ver a Iustrarte 2009, IV Bienal Internacional de Ilustração para a Infância, na Galeria de Exposições, Paços da Cultura, em S. João da Madeira (até 23 de Maio de 2010) com obras de ilustradores de todo o mundo.
Aqueles de que mais gostei:
- Antonio Marinoni de Itália (dentro de uma casa, um senhor com uma máscara parece esconder-se e mover-se furtivamente);
- Sonja Danowski da Alemanhã (a imagem de um senhor de idade, próxima e real, e depois de um outro homem mais novo);
- João Vaz de Carvalho de Portugal (reconheci a sua forma de desenhar, mas ainda não me lembrei de onde);
- Anna Cartagnoli de Itália;
- Artem Kostyukevicr da Rússia (uns azuis lindíssimos de conto de fadas oriental);
- Ali Amekan do Irão;
- Philip Giordano de Itália;
- Ana Sofia Gonçalves de Portugal (colagens e brilho);
Ver mais aqui



(Anna Cartagnoli)

(Anna Cartagnoli)

(Ana Sofia Gonçalves)

Sem título 461

Parece que o tempo está a melhorar, o que me faz lembrar que no segundo dia que fui ao Lev também estava assim, como que a melhorar...

quarta-feira, abril 21, 2010

Sem título 460

Está um dia de chuva... o que me lembra que no primeiro dia em que fui ao LeV também choveu...

Sem título 459

Estive a ver um episódio gravado do Dr. House em que a paciente com sintomas e diagnósticos alarmantes e contraditórios tinha um blogue no qual contava toda a sua vida (ou quase tudo da sua vida e da vida daqueles que a rodeavam).

E o diagnóstico certo acabava por vir... do blogue (constatando que ela tinha alterado as horas em que postava da manhã para a noite, o Dr. House chegava à doença com um nome estranho... não percebi muito bem como, mas o que interessa é que a bloguista cujo prognóstico anterior era de apenas 3 ou 4 dias de vida, se salvava).

A blogosfera está mesmo em todo o lado, até chegou ao Dr. House.

E também no Lev se falou sobre blogues e livros (é muito provável que em todos os próximos posts arranje sempre forma de introduzir o LeV para relembrar que eu estive lá!)

terça-feira, abril 20, 2010

Segunda-feira, 19.4.2010

Andei a correr, mas consegui passar mais uma vez pelo LeV e tirar com o telemóvel as duas incríveis fotografias que seguem mais abaixo (quem conhecer anteriores experiências de fotografias tiradas por mim perceberá facilmente o "incríveis").
Seria bom se todos os meses houvesse um encontro e iniciativas assim.
Este tem lugar num sítio bonito, com ruas com prédios antigos e novos, perto de um jardim com pessoas de mais idade a conversar, crianças nos primeiros passos e adolescentes com o ar único que conseguem ter. E entramos em salas onde escutamos escritores falar sobre livros, viagens e mundos.
.



domingo, abril 18, 2010

Domingo, 18 de Abril

Breve mas importante passagem pelo LeV pelos momentos e autógrafo.

sábado, abril 17, 2010

Hoje

Hoje de tarde iniciei visita ao LeV - Literatura em Viagem (em sentido contrário, Buzinão contra a introdução de portagens). Para já, trouxe o programa e a Revista (Revista de Cultura Literária de Matosinhos, Itinerâncias, 03/10 e passei pela Feira do Livro, onde encontrei, entre outros, um livro de J. Rentes de Carvalho que não tinha, "A Sétima Onda" da Estampa.
Pouco depois, consegui ir ao último dia da Exposição na Galeria do JN do Porto: Under Paintings de Victor Costa. Gostei das formas geométricas e das cores das pinturas e desenhos em acrílico.

Post sobre o post de ontem e a anunciar outro post

Sobre o post anterior (e alguns comentários): Ontem de tarde estava mesmo calor!
Hoje, quando saí de tarde para ir ao LeV em Matosinhos também estava calor e uma tarde bonita, embora a certa altura tenha começado a chover imenso...

sexta-feira, abril 16, 2010

Pequeno trajecto a pé pela zona em que moro para ir comprar baguete portuguesa.

Está finalmente calor, pessoas e carros apressados passam por mim. Mais à frente, usando o tejadinho de um carro como secretária, duas pessoas e dois agentes preenchem declarações de um acidente que não vi, mas que aparenta ter sido só lata.

Chego ao meu destino, onde vendem as melhores baguetes do mundo (além das francesas da Boulangerie) e não há baguetes. Com o trânsito o fornecedor atrasou-se. A seguir a mim, também um senhor pergunta pelas baguetes e sai depois de ouvir a mesma resposta. Imagino o fornecedor parado numa fila de trânsito, com caixas e caixas de baguetes na carrinha e preocupado com os consumidores tristes e decepcionados...

Regresso à rua e penso que gosto de andar em dias assim, quando está calor e vento.

quarta-feira, abril 14, 2010

Aniversário

.
Hoje faz quatro anos um dos meus blogues preferidos: o Verde Água
Ver aqui

Já estou a pensar no fim-de-semana.

Quero ir à Boulangerie que abriu perto do Centro Comercial do Bom Sucesso e comprar uma baguete francesa e talvez croissants franceses folhados e cheios de manteiga e quero ir ao LeV em Matosinhos. Poderia passar primeiro pela Boulangerie e depois levar a baguete e os croissants para o LeV. A importância dos croissants aumenta à medida que se aproxima a hora do almoço. Talvez possa passar pela Boulangerie ainda hoje.

terça-feira, abril 13, 2010

Estou cheia de sono, mas vim partilhar experiência de hoje no trajecto entre local de trabalho e casa. Parei na Fnac, em festa do livro, com descontos de 40% em alguns livros e resolvi adiar decisão de nos próximos tempos não comprar mais nenhum...

(estranhamente o nosso livro não estava nesta Fnac - devem ter vendido todos os inúmeros exemplares que terão ido para lá, só pode...)

Ainda sobre o livro

Uma das minhas irmãs disse-me que os meus dois textos são os melhores do livro!
(e como é evidente o facto de ela ainda não ter lido nenhum dos outros é absolutamente irrelevante)

segunda-feira, abril 12, 2010

Próximo Livro

Há dias estava absolutamente inspirada e numa epifânia ocorreu-me o título: "Nunca Antes".

Uma óptima revelação por várias razões:

- Penso que nunca terá sido utilizado antes;

- Parece-me muito sugestivo: se eu passasse por uma livraria e visse um livro com este título iria de certeza pegar nele para tentar perceber afinal o que é que "nunca antes" estaria ali.

- Não sugerirá praticamente nada, por isso o livro poderá ser sobre qualquer coisa;

Agora só tenho de escrever o resto do livro...

domingo, abril 11, 2010

Atelier dos Sentidos

:
- Estive na apresentação do nosso livro, não li nada, mas dei autógrafos!
Incrível estar do lado de lá, ver os livros com os nossos nomes no expositor na Fnac, ouvir os que estavam na mesa falar sobre o livro, alguns colegas lerem textos, e depois alguém que não conheço vir pedir-me um autógrafo (deveria ter pensado um bocadinho mais no que escrever, fiquei-me pelo "espero que goste do livro" ou pela variante "espero que gostem do livro").
O livro é bem bonito, está à venda nas livrarias e foi possível graças à co-autora e coordenadora que tem também um blog: Linhas Desconexas
.
.

sábado, abril 10, 2010

Sábado, 10.4.2010

Exposição Colectiva de Pintura na Galeria Cordeiros. Ver mais aqui

Gostei em particular de um quadro de Rogério Ribeiro, pelos tons de azul.

Sexta feira, 9.4.2010

Green Zone de Paul Greengrass

E finalmente o post 1394!

.


.


.

sexta-feira, abril 09, 2010

Post 1393

Este post é apenas para contabilizar o número de posts e ver se consigo chegar de uma vez ao 1394.

Livros

Livros que li nos últimos dias (tenho lido poucos livros e muitas revistas).
- O Jogo do Medo de Joaquim Lucas, de que gostei e recomendo :) e que tem um blog: Cartório Mental;
- Carne de Cão de Pedro Juan Gutierrez, pela forma como escreve fez-me lembrar Bukowsky, quer pela linguagem acessível, quer pela forma como trata as relações entre homens e mulheres, também a nível sexual; Retrata uma realidade dura do ponto de vista económico e humano; A sugestão para ler este livro veio daqui do blogue Quero Um Livro


quinta-feira, abril 08, 2010

6º post

E depois poderei escrever sobre como foi a apresentação também pelo menos em cinco posts...

(eu avisei que seria capaz de encher o blog de posts sobre o livro no 1º post)

Para aí o 5º post sobre livro

Ter uma pequena contribuição num livro que vai ser apresentado é óptimo para arranjar matéria para posts. Com este já devo ter escrito para aí uns cinco, todos à volta disto...talvez fosse melhor começar a procurar outros temas...ou não.

quarta-feira, abril 07, 2010

Finalmente!

Depois de anos a percorrer Fnac's, andar com sacos da Fnac quando não estava na Fnac (que aliás ultimamente parecem demasiado bio-degradáveis...), tirar fotografias com sacos da Fnac, sem esquecer ter e guardar cuidadosamente o cartão Fnac, cheguei ao cume do monte mais alto, ao auge absolutamente inimaginável: há um link da Fnac para o nosso livro! Ver aqui

Entretanto

Vai-se aproximando a data da apresentação do livro para o qual contribui com dois textos (tara, tara, tara, tara... e já não deve dar tempo para encomendar com pensara uma leve burka rosa...)
Depois de o ter referido aqui, em casa, em local de trabalho e a alguns amigos, e quando me tranquilizava com a ideia que às tantas vão adiar, ligou-me a amiga grande impulsionadora desta publicação, a confirmar. Alguns dos autores vão ler, ela gostaria que eu também lesse um dos textos...quando eu planeava confundir-me com as sombras do local que se bem me lembro é escuro. Ao relembrar-lhe a minha vocação very low profile ela sugeriu que levasse alguém para ler por mim.
Alguém gostaria de ir?
O texto é muito pequenino...

Esta noite, no Clube Literário do Porto, pelas 21.30 horas, irá haver uma discussão pública sobre a sociedade dos anos 60: No meu tempo é que era bom… Década de 60 com a participação dos autores publicados pela Edita-Me.

Ver mais aqui

terça-feira, abril 06, 2010

A minha cidade preferida


Nasci na capital, e quando era criança, íamos lá nas férias. Era a cidade das luzes, do Jardim Zoológico, do Parque Eduardo VII, das ruas com árvores no meio, mas sobretudo da minha avó, na sua casa cheia de histórias, com um piano e uma pele de leão na sala, uma despensa com brinquedos antigos como um cavalinho de baloiço, um quarto com uma janela para uma rua ou beco interior misterioso, canecas com cores alegres, e um quarto de banho, que tinha um chão com quadrados brancos e pretos e uma tina com pés.

Até aos seis anos cresci numa cidade mais pequena e interior, a capital do móvel. Morávamos num andar de um prédio, saltávamos da varanda para a varanda da casa da Leninha, amiga de uma das minhas irmãs. À frente havia um jardim onde andei e voei da bicicleta da minha irmã até aterrar de volta à realidade e fugi dum pastor alemão que só queria brincar. Perto, havia um café onde ia com o meu pai que às vezes me dava cigarros de chocolate vendidos lá.

Nos seis anos seguintes, outra cidade, próxima daquela onde hoje moro. Comecei a ir à escola, aprendi a ler, tive a primeira comunhão (não sabia bem que pecados confessar), comecei a andar de trólei sozinha, subi ao Monte Crasto. Duma papelaria próxima, penso que se chamava Juvenil, vieram os primeiros livros de ficção científica, da colecção Argonauta.

Depois passei a morar na cidade dos tripeiros, num sítio com ruas mais alinhadas e uma Praça com um jardim. Andei de bicicleta por essas ruas. Fui pela primeira vez ao cinema (não sei se o primeiro filme foi a Pipi das Meias Altas, a Música no Coração ou Os Malucos das Máquinas Voadoras). Encontrei as minhas agora velhas amigas. Segui com os estudos até que um ano voltei à capital. Já não era a mesma cidade porque faltava a minha avó. Aí como depois quando regressei, ganhei o o gosto pelos passeios à descoberta, retomado em cada cidade ou sítio por onde vou. E gostei de descobrir (só um pouco de cada, porque todas as cidades são imensamente grandes) Guimarães, Badajoz, Vigo, A Cidade da Praia em Santiago, Mindelo em São Vicente, Atenas, Londres, Cannes, Mónaco, Génova, Paris, Barcelona, Madrid, Roma, e felizmente tantas outras.

Contudo, a minha cidade preferida é apenas uma, ou poderá ser mais do que uma, mas o que a torna minha, é estar lá a minha casa e esta fica onde está a minha família, amores e amigos incluídos.

domingo, abril 04, 2010

Um desafio interessante

Desafio de escrita aqui do blog cronicasdorochedo:

"- Qual é a vossa cidade preferida ( portuguesa ou estrangeira) e porquê?E já agora, porque não contam, nos vossos blogs, uma história sobre a vossa cidade preferida, ou um episódio interessante que tenham vivido durante uma visita a essa cidade? Se aceitarem o desafio e me comunicarem ( a partir do dia 5 de Abril) o que escreveram, farei aqui o link para a vossa história. Valeu?" (retirado do link e do blog que indico em cima)

LeV - Literatura em Viagem


De 17 a 20 de Abril, em Matosinhos, teremos de novo o LeV - Literatura em Viagem, com o lançamento da revista “Itinerâncias” número 3, inauguração de uma exposição de fotografia, uma feira de livro e a participação de vários escritores.
No dia 17 de Abril, Sábado:
1ª Mesa, 16.30 : “Literatura e Guerra”Robert Fisk (Inglaterra), Mimmo Cándito (Itália), Carlos Vale Ferraz, Hubert Haddad (Tunísia), Cândida Pinto, Mod.: José Mário Silva
2ª Mesa, 18.30: “As Viagens são os Viajantes” -Giuliano da Empoli (Itália), Nuno Silveira Ramos, João Pedro Marques, Lourenço Mutarelli (Brasil), Mod.: João Rodrigues;
No dia 18 de Abril:
15.00 Horas, 3ª Mesa, “Percebo-me viajando” –Alexandre Alves Costa, José Medeiros Ferreira, Patrícia Portela, Guillermo Martinez (Argentina), Mod.: Manuel Valente
17h30, 4ª Mesa: “O Sonho de África” Tim Butchert (Inglaterra), Mohammed Berrada (Marrocos), Javier Reverte (Espanha), Jacinto Rego de Almeida, Mod.: Carlos Vaz Marques;
19/04/2010 Segunda-feira, 15h00, 5ª Mesa “Viajar prolonga a vida” Alon Hilu (Israel), José Rentes de Carvalho, Alexandra Lucas Coelho, Mónica Marques, Mod.: Rosa Alice Branco
17h30, 6ª Mesa: “Palavra a palavra viajamos” - Filomena Marona Beja, Ignacio Martínez de Pisón (Espanha), José Fanha, Arthur Dapieve (Brasil), Mod.: Marcelo Correia Ribeiro;
20/04/2010 Terça-feira, 15h00, 7ª Mesa “A alegria do homem está em viajar” Joaquim Magalhães de Castro, Cristina Carvalho, Lazaro Covadlo (Argentina),Maria Isabel Barreno, Mod: Jacinto Rego de Almeida;
17h30, 8ª Mesa - “Toda a realidade é um desejo de viagem” Hélder Macedo, valter hugo mãe, Mempo Giardinelli (Argentina), Elmér Mendoza (México), Mod.: Francisco José Viegas;
.
Nos dias de fim-de-semana e de férias escolares ou feriados, a cidade vazia é mais nossa, dos que ficam. Redescobrem-se espaços e luz nas ruas quase sem carros, mesmo em algumas antes mais movimentadas é agora possível atravessar pelo silêncio, sem olhar.
E felizmente para mim consumidora, nem todos os cafés encerraram e é mesmo possível comprar uma baguete e regressar com ela, não debaixo do braço (não domino a arte e ainda a deixava cair) mas num saco de papel, atravessando o jardim do conhecimento (sobrelevado e com alusão à massa cinzenta na vegetação, e povoado com quatro oliveiras, ponte para os quatro elementos constituintes do cosmos da antiguidade clássica e para o conhecimento que vem dos quatro cantos do mundo).
.
.

quinta-feira, abril 01, 2010

Projecto para o mês de Abril

Decidi que vou repetir o projecto do mês de Janeiro, mas que desta vez, no lugar de um livro por dia, irei ler dois livros por dia, durante este mês!