domingo, dezembro 28, 2008

Feliz Natal

Embora, mui ligeiramente atrasada, queria desejar a todos um Feliz Natal
e um Óptimo 2009!
(imagem retirada do Google)

O espírito do Natal

Continuo sem saber muito bem onde é que estará.
Entretanto e após ler num artigo sobre a impossibilidade de um único Pai Natal distribuir os presentes por todas as crianças imaginei como nesta época quase todos os carros se transformam em trenós (seria um trenó o veículo do Pai Natal puxado pelas renas?) e carregam comida e prendas.

Regresso em partes

Quase derrubada pelo espírito dos Natais passados e pelo que pensei ser uma gripe (ia ser a 3ª num curto espaço de tempo e já contemplava feliz a hipótese de conseguir um pequenino lugar no Guiness, bastava um parágrafo ou até uma pequena nota de rodapé ...) mas seria afinal uma reacção à vacina (apenas para não contagiar alguém) eis que regresso à blogosfera e decidida a postar vários posts!

sexta-feira, dezembro 19, 2008

Amanhã


Post ultra rápido - Só para recordar que será amanhã a apresentação do livro da Pin Gente na Fnac da Rua Santa Catarina, no Porto, pelas 17.30. Eu conto ir e seria óptimo reencontrar conhecidos e conhecer em pessoa alguns virtuais conhecidos.

terça-feira, dezembro 16, 2008

Se algum(a) desconhecido(a) me escrever para o endereço deste blog, para já não consigo receber correio, nem responder.

Continuo sem tempo ou com muitas coisas para fazer no mesmo tempo o que é óptimo. Estou a considerar mudar o nome "redonda" para o do coelho da Alice no país das maravilhas que andava sempre a correr com um relógio e a queixar-se que não tinha tempo, e não me lembro se tinha outro nome.
A minha caixa deste blog ficou inexplicavelmente cheia. Tenho estado a apagar mails, mas continua a recusar-se a receber e não me deixa escrever outros. Por isso resolvi criar outro endereço: escritaredonda2@gmail.com Enquanto não resolver o problema com o primeiro, vou usar o segundo, além do outro endereço no gmail que indiquei a alguns amigos (por isso se por acaso não respondi a alguém foi porque não pude mesmo!).

quarta-feira, dezembro 10, 2008

Apenas para não perder o treino e esquecer-me de como é que se "posta"

Tenho uma data de posts em atraso. Portanto este vai ser um post sumário ou memorando para futuros posts!
Assim vou ter de postar:
- O convite do Porto para a apresentação do livro da Pin Gente (seria giro nesse dia rever bloguistas e conhecer em pessoa outros);
- As minhas deambulações por exposições no fim-de-semana - estive na Galeria Cordeiros, na Galeria do DN, e no Auditório Municipal de Matosinhos, esta por duas vezes (vai ser difícil superar-me a mim própria, esta meta de três, aliás quatro idas, a exposições (ir a uma duas vezes conta na mesma) pode muito bem ser inultrapassável...);
- Ainda não fiz o trabalho de casa para o atelier mais logo - escrever um texto sobre a humilhação.

quinta-feira, dezembro 04, 2008

Livro: "faz de conta...és poeta!"




A apresentação do livro da Pin Gente, será feita pelo Pedro Branco, poeta e músico. O livro inclui 21 poemas infantis escritos entre Maio e Julho de 2007 e ilustrações da Luísa e do seu filho Manuel. No Porto a apresentação será no dia 20, na Fnac de Santa Catarina, pelas 17.30 e eu conto ir.

Diário muito abreviado e corrido dos últimos dias (por causa do frio)

Quarta-feira da outra semana tive a 1ª aula do novo atelier de escrita. Fiquei a saber que as reticências podem ser consideradas enervantes por as atribuírem a preguiça do autor do texto em escrever mas é o que falta ou pela incerteza que introduzem no texto. O TPC seria escrever um texto com base numa frase: "Atai as mãos a vosso vão receio que, eu, só, resistirei ao jugo alheio". Entretanto não fiz o TPC, fiquei constipada e faltei à 2ª aula que foi ontem (já me informei sobre o novo TPC: escrever um texto sobre a humilhação.
Domingo fui ver a exposição de Juan Muñoz. Gostei do grupo "How Many Times" de senhores orientais. Ao longe parecem da nossa altura mas, quando nos aproximamos, vemos que são mais baixos e não têm pés. Todos diferentes e todos a sorrirem ou a rirem, mas não de nós e sim de uma forma acolhedora, como se rissem para nós ou connosco.

terça-feira, dezembro 02, 2008

Aviso

Devido às baixas temperaturas que se têm feito sentir, este blog está congelado!

terça-feira, novembro 25, 2008

Atelier de escrita.

Amanhã começa o atelier de escrita!
Pode ser que isso ajude a aumentar o número e a qualidade dos posts neste blog... ou pelo menos poderei escrever sobre o atelier.
Para já poderia ser boa ideia relembrar o que entretanto já esqueci sobre os Sete Pecados Mortais (já não me lembro da ordem de gravidade entre eles, o que é muito grave).

sábado, novembro 22, 2008

Périplo por exposições

Cheguei há pouco a casa depois de uma expedição por Vila Nova de Gaia. Já me perdi lá duas ou três vezes, pelo que hoje tive a precaução de colher previamente explicações de como chegar ao Auditório Municipal... e acabei por ir ter à Casa Museu Teixeira Lopes, mas a tempo de uma inauguração do quadro: "Instalação". Antes vi uma exposição de esculturas de Margarida Santos (muito sensuais). Daí segui para o Corte Inglês, deixei lá o meu carrinho e segui a pé até que finalmente encontrei o Auditório e a Biblioteca onde estavam exposições de aguarelas de Júlio Costa (achei-as lindíssimas pela cor e pela luz - ver aqui) e de pintura e escultura de Taveira da Cruz (gostei muito do seu quadro "Luz e Cor").

(quadro de Taveira da Cruz no Google)


(quadro de Júlio Costa no Google)

quinta-feira, novembro 20, 2008

Nova rubrica - Reflexões profundas sobre a vida e a blogosfera

Mais vale um post bom que vários posts no ar (como é óbvio esta máxima não é praticada neste blog).

quarta-feira, novembro 19, 2008

Post no qual revelo o meu lado extremamente crítico

Deveria ter dividido a Explicação 3 em vários posts pequenos porque tenho a ligeira impressão que dois posts não se qualificam como "vários" posts.

Talvez três posts já possam satisfazer o objectivo.

(...)

Entretanto, algo também muito interessante nesta época é o número de exposições de pintura anunciadas. Leio sobre a inauguração, imagino que seria interessante ir lá nesse dia (talvez sirvam bolinhos). Passa o dia, passam outros dias. Tento fixar a data limite. Passa a data limite. Perdi a oportunidade de ir à exposição e acho isso muito mal. Pronto, com este post, revelo o meu lado extremamente crítico.

A continuação da Ilha dos corações partidos

O colega do atelier de escrita já escreveu a continuação da Ilha dos corações partidos, aqui

A explicação 3 ou Diário dos últimos dias 2 ou 3

Isto está difícil de arrancar porque face ao tamanho redondo do blog cada vez é mais difícil de mover... o peso dos arquivos é imenso...ou então, se isto não colar, estou é ser mesmo preguiçosa (e já não me lembro do lugar deste, na hierarquia dos pecados, o que é muito grave porque o atelier de escrita vai começar em princípio na próxima semana).
No Domingo fiz inúmeras e variadíssimas coisas, entre as quais, andei por um tapete de folhas - além das árvores, também as ruas e os passeios se encheram de cores.
Gosto nesta época de como crescem os livros nas livrarias e os chocolates nos supermercados.

Aviso 3 ou 4 ou 5

Agora que arranjei alguns minutos livres vão seguir-se vários posts! (pequenos).

terça-feira, novembro 18, 2008

A explicação 2

.
.
.
Pode não parecer, mas a dona do blog está a trabalhar intensivamente (noutro sítio)
.
.
.

quinta-feira, novembro 13, 2008

A explicação...

Estou a concorrer ao Grande Prémio do Blog Mais Parado de Todos!
.
.
.
...
.
.
Claro que,
.
Logo agora que estava tão bem lançada, este post pode ter prejudicado as minhas possibilidades de levar o prémio...

domingo, novembro 09, 2008

Um colega do atelier de escrita irá em princípio continuar o texto da "ilha dos corações partidos" no blog do atelier: Tanagra S.A. - link também ao lado um pouco mais em baixo (enquanto este post não desce).

Filmes

Sexta feira fui ver o último filme do 007, Quantum of Solace de Marc Forster. Achei absolutamente incrível como ele conseguia levar tanta pancada, envolver-se em "acidentes" de trânsito, do género carrinhos de choque a sério, pular por cima de telhados, ir contra prédios, e sobreviver a "saltar" de um avião, sem pára-quedas, sempre sem qualquer ferimento sério.
Sábado fui ver o filme Paris de Cédric Klapisch. Gostei muito. Um filme sobre pessoas em Paris, todos a parecerem-me muito reais.

quinta-feira, novembro 06, 2008

Sem título I

Uns amigos ofereceram-me flores, vinte rosas vermelhas, e chocolates com um papel que dizia "A amizade aumenta a felicidade e reduz o infórtúnio, multiplicando a nossa alegria e dividindo a nossa dor". Não quero esquecer isto.

quarta-feira, novembro 05, 2008

Um livro de poesia infantil

Entretanto fiquei a saber que a Pin Gente vai publicar o seu primeiro livro, que será um livro de poesia infantil com ilustrações pela Pin Gente e por um dos seus filhos e tem por título "Faz de conta...és poeta!". O lançamento será em Dezembro e poderia ser engraçado se nos encontrássemos por lá. Quando souber mais sobre o local e dia, virei postar essa informação.

Exposição de Rui Alexandre

Segunda feira fui ver a exposição de Rui Alexandre na Biblioteca de Santa Maria da Feira. Gosto de ir às exposições que aqui têm lugar porque o espaço é lindo e são bem organizadas, com um segurança muito simpático. Gostei dos quadros, mas não consegui encontrar no Google exemplos para postá-los por aqui.

A ilha dos corações partidos

Há muitos anos atrás, quando a natureza confiava no homem e facilmente lhe oferecia abrigo e comida, todos apenas se ocupavam na tarefa de ser felizes. Alguns seguiam os seus próprios prazeres, outros resolviam apaixonar-se e viver em função de um outro que podia ser o mesmo ou variar simultânea ou sucessivamente. Havia no entanto uns poucos que afirmavam ter o coração despedaçado. Numa languidez e melancolia pecaminosa ou numa intranquilidade nervosa aborreciam os demais que não os compreendiam. Não percebiam porque não seguiam o seu exemplo e ao invés criavam problemas que não existiam. Foi então resolvido que esses poucos deveriam ser exilados numa ilha que não ficava longe, mas cujo acesso difícil era somente possível em alguns dias do ano, quando o vento acalmava e a maré subia, permitindo que os pequenos barcos que lá tentavam ir, não se despedaçassem nos rochedos. Dito e feito, mal era observado o problema e depois de deixarem passar uns poucos dias para terem a certeza que estava em causa o mal condenado e não uma dor de barriga, eram remetidos para a ilha, sem apelo nem agravo. Esta até então desabitada passou a ser conhecida pela Ilha dos corações partidos. Enquanto as condições não o permitiam, eram os futuros exilados confinados num campo limitado para o seu mal não se propagar ou contagiar qualquer incauto. Ora, não obstante todos os cuidados, o número de afectados aumentava de dia para dia e alguns até pareciam ansiar pela condenação ao exílio. Entre os imunes estavam os mais velhos, mais avisados e experientes. Até que um dia repararam que entre eles já não cresciam crianças. Temeram então o pior e julgaram-se os últimos homens da terra porque os da ilha apenas poderiam ter morrido de inanição. Quando apenas restava um, meio enlouquecido pela solidão, resolveu ir até à Ilha para aí se encontrar com a sua morte. Esperou pelo vento e maré propícios e com dificuldade contornou os rochedos. Eis que quando se aproximava julgou ser vítima de uma alucinação porque ouvia risos. Quando finalmente chegou à praia foi rodeado por crianças, jovens, velhos, homens e mulheres, aparentemente nem infelizes ou felizes, contudo vivos.

terça-feira, novembro 04, 2008

Apenas para que o dia de folhas ou com folhas desça de uma vez

Tenho muitas ideias para posts (perigo) mas (felizmente) não tenho tempo para escrever.
Talvez amanhã...(ameaça subtil que poderia passar despercebida se eu não escrevesse agora isto aqui e para quem não me conheça e tenha a sorte de nunca ter lido nada que eu tenha escrito).
(E este post pode ser curto, mas pelo menos é colorido).

terça-feira, outubro 28, 2008

Dia de folhas

Hoje foi verdadeiramente um dia de folhas, na maioria castanhas, como recortadas de propósito para ilustrar o Outono, a voarem pelo chão, iluminadas ainda nas árvores pelo entardecer e uma a assustar-me quando de repente como uma mão atirou-se contra o vidro da frente do meu carro.
E porque tive tempo de pensar enquanto andava pela manhã fria desenvolvi a ideia que vivemos em planos. Passou por mim uma menininha gorducha que com passos curtos conseguia acompanhar os da mãe ou avó que a levava pela mão. Parecia segura na aprovação da adulta ao seu lado, feliz por manterem a pressa na subida. Imaginei que aos olhos de senhoras também surgiria fofinha só por ser criança. Depois lembrei-me dos meus tempos da escola, quando normalmente as gorduchinhas e gorduchinhos não eram populares. E pimba lá me veio a ideia dos planos. Consoante as pessoas com quem estamos, o local, a actividade, interagimos de forma diferente, e podemos ver-nos de forma distinta. Felizes e infelizes consoante nos vêem ou acreditamos ser vistos, como um Narciso com tantos e dispares reflexos quanto os riachos por que passasse.

segunda-feira, outubro 27, 2008

Diário dos Últimos dias, mesmo!

Sábado fui conhecer o novo Centro Comercial, o Mar Shopping. Além de uma Fnac, tem uma nova livraria chamada Wook. Comprei lá um livro da Taschen sobre pintores românticos e ofereceram-me uma espécie de jogo de origami, com quadrados coloridos e instruções. Quando tiver tempo vou ver se consigo fazer alguma coisa com os quadrados.
Domingo fui à sessão de autógrafos de Luís Sepúlveda, na Bertrand do Dolce Vita. Foi emocionante estar à espera, reconhecer o escritor das fotografias e depois ganhar autógrafos. Achei que tinha muito carisma e presença. No livro "História de uma Gaivota e do Gato que a ensinou a voar", com o autógrafo desenhou um gato.

sexta-feira, outubro 24, 2008

Diário dos últimos dias

Encontrei não um, mas dois livros do Le Clézio, O Caçador de Tesouros, que já comecei a ler e Diego e Frida.
O atelier de escrita foi adiado para finais de Novembro, em vez de começar no início do mês (fico com mais tempo para acabar de ler os livros sobre a Gula e sobre a Inveja - já li o da luxúria - e tentar escrever qualquer coisa mais sobre os sete pecados e se o atelier começa mais tarde, também acaba mais tarde, o que é positivo).
- Não consigo ter acesso à caixa de comentários, o que é uma seca! (enquanto isto se mantiver não posso responder) - afirmação entretanto desactualizada porque ao ritmo lento que isto agora anda, já consegui acesso e já respondi.

terça-feira, outubro 21, 2008

Post 999...ou aliás 1000

Com a ajuda do MC resolvi a questão do post 1000 e vinha para aqui resolutamente decidida expor a solução quando me apercebo que cometi um pequeno erro de contagem e o anterior é que era o 999 e este é o 1000...Bem adiante que isto não atrapalha a resolução do problema e que é, tchan, tchan, tchan, tchan: O post 2000 é que vai ser!
Por isso não vai haver festas, nem prendas para os primeiros comentadores (que como é evidente já tinha planeadíssimo que ia haver) e nem fotografias (nem reclamações!).

sábado, outubro 18, 2008

Post 998

Reparei que há pouco publiquei o post 997, assim este vai ser o 998 e aproxima-se perigosamente o 1000. Se para o 999 ainda se pode postar qualquer coisa, se não me lembrar de qualquer coisa de jeito para o 1000, vou ficar bloqueada e blog vai ficar parado!

Sobre os concertos

Entretanto e devido à gripe tornei-me espectadora do canal Mezzo e pude apreender as diversas fases de um concerto:

1ª Fase - Tossidelas;

2ª Fase - Sorrisos admiradores dos músicos e aplausos do público quando entra o Maestro;

3ª Fase - Música

4ª Fase - Silêncio respeitoso.

5ª Fase - Aplausos

Dia de Sol e Chuva

Domingo, dia 12, lá fui eu com uma amiga, primeiro à exposição "Eros" de José Rodrigues na Galeria do Jornal de Notícias e depois à apresentação do livro de Pedro Branco, "Escolhas".
Na exposição desenhos a lápis e esfuminho do corpo humano, sobretudo o feminino e duas esculturas: "Jovem" e "Salomé".
Não fui a muitas apresentações de livros e se tenho achado especiais todas a que fui, esta foi a que mais gostei pelo ambiente simpático e acolhedor.

Razão para o blog estar meio parado

Embora esteja muitas vezes parado sem qualquer razão, desta vez tenho uma óptima justificação: fui apanhada pela gripe! Como já começo a ficar um pouco melhor vou cumprir a terrível ameaça publicitada no "post" anterior e desatar a "postar"!

segunda-feira, outubro 13, 2008

Novo Aviso

Depois, pelas minhas andanças no fim-de-semana, e quando arranjar tempo, terei matéria para vários posts... pelo menos, dois!!!
Entretanto, procurei e não consegui encontrar um único livro do Le Clézio...
Alguém já leu alguma coisa deste escritor?

quinta-feira, outubro 09, 2008

Prémio Nobel da Literatura

Jean-Marie Gustave Le Clézio. O Comité Nobel considerou que o escritor é merecedor do prémio pela sua narrativa de «aventura poética» e de «êxtase sensual» e por ser um escritor «autor de novas partidas literárias» e «explorador de uma humanidade para além da civilização reinante».
O escritor francês nasceu em Nice, em 1940, viveu nas ilhas Maurícias, local que lhe sugeriu o cenário para o romance “O Caçador de Tesouros” e actualmente vive no México, onde continua a escrever.
A sua literatura confunde-se com as viagens, que não cessou de empreender. Ganhou a admiração de filósofos como Michel Foucault e Gilles Deleuze, que apreciaram a sua escrita inovadora e revoltada.
«O Processo de Adão Pollo», «O caçador de Tesouros», «Deserto» (considerado a sua obra-prima), «Estrela errante», «Diego e Frida», «Índio Branco», são os livros de Le Clézio traduzidos em Portugal, cuja obra ultrapassa os 50 títulos. (retirado do Google - tanto quanto me lembre ainda não li nada deste escritor).

quarta-feira, outubro 08, 2008

O que é podemos dizer ou desejar a alguém que vai fazer 18 anos?

O que é que eu lembro de quando fiz 18 anos?
Que ia poder votar e tenho a ideia que pude estrear-me nesse ano, não me lembro em que eleições, nem em quem votei. Lembro-me de sentir uma responsabilidade acrescida pela idade a que chegava e a obrigação implícita de exercer esse direito-dever. Qualquer espírito rebelde que tivesse, exercitava-o em tentar ser original, como usar vestido e tranças. Devia ter um ar meio hippie retrógrado ou de rapariga honesta e confiável da província, o mesmo que levou a senhora, a quem a minha irmã perguntou a direcção para a faculdade, a disponibilizar-se para me alugar um quarto. O ano em que entrei para a faculdade e me senti meio perdida e me perdia na livraria. Nos livros dos diversos cursos via o acesso ao conhecimento de uma forma deslumbrada. Qualquer um que adquiria parecia-me um tesouro e teimava em ler o que não percebia lá muito bem, como os livros de epistemologia e de hermenêutica do texto filosófico certa que se insistisse chegava lá.
Mas afastei-me da pergunta. O que é que podemos dizer ou desejar a alguém que vai fazer 18 anos?

terça-feira, outubro 07, 2008

Post importante

Encontrei um texto muito especial sobre missões e sobre podermos ajudar apadrinhando uma criança no blog de A Senhora Sócrates, aqui.

Quarta-feira, Outubro 08, 2008

Tenho um afilhado novo, talvez. Tem sete anos de idade e chama-se João.

domingo, outubro 05, 2008

Sonhos I

Esta noite sonhei que tinha escrito um livro que ia ser oferecido pela Focus, sem dúvida para dessa forma concorrerem com a Sábado, ah, ah, ah. Muito orgulhosa do meu feito contava a alguém que o livro era meu, apesar de assinado com um pseudónimo e que tinha publicado outros dois, todos com pseudónimos diferentes (sei lá porquê, primeiro acho que teria graça era assiná-lo com o meu nome e depois porque razão haveria de arranjar três pseudónimos diferentes?!)

Perigo: Confissões e Avisos

Como tenho andado com muito pouco tempo, parece-me que este blog só anda aos empurrões. Ainda bem que tenho optado por posts pequeninos e leves para assim ser mais fácil empurrá-lo para que vá rolando.

Já imaginei a blogosfera como mesas de café, onde estranhos se podiam sentar e ficar a ouvir aquilo de que se falava e às vezes podiam comentar.

Pareceu-me já demasiado reveladora por expormos tanto do que somos, mesmos que a escrever sobre batatas.

Continuo a achar incrível a possibilidade de conhecermos quem de outra forma muito provavelmente nunca conheceríamos, mesmo que só virtualmente.
Procuro ser positiva no que escrevo. Por isso e pela forma como escrevo creio que às vezes dou a ideia de ser mais nova do que sou...quando na realidade, apesar de ainda não ter cabelos brancos (acho... pode haver algum ou alguns, mas não me apercebi e claro que poderia ser careca e assim a questão ficaria resolvida...) há dias em que tenho mais de cem anos.
E há o perigo sério de meter-me a escrever algo a que chamarei poesia. Que estranho, depois de velha (ou mais velha, pronto, porque hoje não tenho cem anos), começo a gostar de perder-me a pensar em palavras... Fica assim mais um aviso: de vez em quando vou semear o blog com frases sem sentido... ah, ah, ah (ou correcção, ainda mais sem sentido)
Resolvi também começar a escrever sobre sonhos porque até agora e cada noite costumo ter imensos...só espero que ninguém com conhecimentos de psicologia passe por aqui...

Sem título

Descobri que há um limite de palavras para o título e que é possível "agendarmos" a publicação de postagens (nas opções adiantamos a hora e/ou o dia e fica agendado para publicação nessa altura).

Vamos lá colocar uma fotografia para que isto não fique só com textos e quem adivinhasse onde é que tirei esta fotografia, mereceria mesmo um prémio!

(no local o banco parecia-me vermelho)

Novo Curso

Não estando previsto nenhum curso sobre arte e entre outras propostas resolvi inscrever-me no curso: A "pré-história" da sexualidade, leccionado pelo Sr. Dr. Júlio Machado Vaz. No folheto refere-se que poderemos aprender como noutras épocas era encarada a "coisa sexual" para empregar a frase de Charcot, "visitar a relação erasta/erómeno dos gregos, a obsessão priápica dos romanos, o fascínio pela carne da Igreja, a heterodoxia controlada do amor cortês, a ambivalência do renascimento e as paradoxais consequências da revolução científica", como forma de "fazer vacilar discriminatórias certezas e sublinhar o carácter multidisciplinar e dinâmico da sexologia, assim lutando por um futuro mais capaz da aceitação enriquecedora e menor refém da ignorância que embala o medo, a xenofobia e o desejo de liberdade do rebanho de que falava Eugénio de Andrade".
Na 1ª aula falámos dos gregos e pude constatar como sabia pouco, sobretudo porque o pouco que sabia o julgava com as concepções da nossa época, quando para os gregos da antiguidade os rótulos que atribuímos não teriam sentido. Nós dividimos as pessoas consoante a sua orientação sexual, o objecto do seu desejo, enquanto para os gregos o que importava era o papel no acto em si, se de dominância ou não.

quinta-feira, outubro 02, 2008

Apresentação de um livro




Fui buscar a imagem do convite ao blog da pin gente e vou tentar ir.

quarta-feira, outubro 01, 2008

Novo curso

Amanhã vou ter a oportunidade de iniciar um novo curso que dura um mês e no qual talvez possa aprender alguma coisa sobre um dos sete pecados...

segunda-feira, setembro 29, 2008

Sobre as fotografias 2

Alguém tem uma ideia de como se chama esta Igreja e onde fica?




Recapitulando 2

Na própria wikipédia há uma certa confusão entre a gravidade e importância dos pecados e virtudes quanto ao que ocupará o sexto lugar, se a avareza ou a gula. O menos grave será a luxúria e os mais graves por ordem crescente serão a avareza ou a gula, a preguiça, a ira, a inveja e a vaidade.

Recapitulando...

Os sete pecados são:
- A vaidade;
- A inveja;
- A ira;
- A preguiça;
- A avareza;
- A gula; e
- A luxúria.
E as sete virtudes são:
- A castidade (oposta à luxúria);
- A generosidade (oposta à avareza);
- A temperança (oposta à gula);
- A diligência (oposta à preguiça);
- A paciência (oposta à ira);
- A caridade (oposta à inveja);
- A humildade (oposta à vaidade);

Atelier de escrita ou Aviso - N (não me lembro o nº)

Depois de busca exaustiva pelo Google, pranchada aqui nos posts anteriores, assim que arranjar tempo irei tentar escrever de novo sobre os sete pecados e agora também sobre as contra-senhas, as sete virtudes!

E as virtudes

(Retirado também da Wikipédia) Ordenadas em ordem crescente de santicidade, as sete virtudes sagradas são:

- Castidade (Latim castitate) - que se opõe à luxúria (simplicidade - abraçar a moral de si próprio e alcançar a pureza de pensamento através de educação e melhorias);

- Generosidade (Latim, liberalis) - que se opõe a avareza ( desprendimento, largueza , dar sem esperar receber, uma notabilidade de pensamentos ou acções);

- Temperança (Latim temperantia) - que se opõe a gula (auto-controle, moderação, constante demonstração de uma prática de abstenção);

- Diligência (Latim diligentia) - que se opõe a preguiça (presteza, ética, decisão, concisão e objectividade, acções e trabalhos integrados com as próprias crenças);

- Paciência (Latim, patientia) - que se opõe a ira (serenidade, paz, resistência a influências externas e moderação da própria vontade);

- Caridade (Latim, humanitas) - que se opõe a inveja (compaixão, amizade e simpatia sem causar prejuízos);

- Humildade (Latim, humilitas) - que se opõe a vaidade. (modéstia, comportamento de total respeito ao próximo);

Os Pecados

Retirado da Wikipédia: Os sete pecados capitais são uma classificação de vícios usada nos primeiros ensinamentos do catolicismo para educar e proteger os seguidores crentes, de forma a compreender e controlar os instintos básicos. Não há registo dos sete pecados capitais na Bíblia Sagrada. Assim, a Igreja Católica classificou e seleccionou os pecados em dois tipos: os pecados que são perdoáveis sem a necessidade do sacramento da confissão, e os pecados capitais, merecedores de condenação. A partir de inícios do século XIV a popularidade dos sete pecados capitais entre artistas da época resultou numa popularização e mistura com a cultura humana no mundo inteiro. Origens Sagradas de Coisas Profundas De acordo com o livro "Sacred Origins of Profound Things" ("Origens Sagradas de Coisas Profundas"), de Charles Panati, o teólogo e monge grego Evágrio do Ponto (345-399) teria escrito uma lista de oito crimes e "paixões" humanas, em ordem crescente de importância (ou gravidade):

Gula Avareza Luxúria Ira Melancolia Acedia (ou Preguiça Espiritual) Vaidade Orgulho.

Segundo Evagrius os pecados tornavam-se piores à medida em que tornassem a pessoa mais egocêntrica, com o orgulho ou soberba, sendo o supra-sumo dessa fixação do ser humano em relação a si mesmo. No final do século VI, o Papa Gregório reduziu a lista a sete itens, juntando "vaidade" e "soberba" ao "orgulho" e trocando "acedia" por"melancolia" e adicionando "inveja". Para fazer seu própria hierarquia, o pontífice colocou em ordem decrescente os pecados que mais ofendiam ao amor: Orgulho; Inveja; Ira; Melancolia; Avareza; Gula; Luxúria;

Mais tarde, outros teólogos, entre eles, Tomás de Aquino analisaram novamente a gravidade dos pecados e fizeram mais uma lista. No século XVII, a igreja substituiu "melancolia" – considerado um pecado demasiado vago – por "preguiça". Assim, actualmente aceita-se a seguinte lista dos sete pecados capitais: Vaidade; Inveja; Ira; Preguiça; Avareza; Gula; Luxúria;

Os pecados capitais são praticados rotineiramente e muitas vezes sem que o pecador perceba, passando despercebido. Todos nós cometemos vários pecados que são originados a partir dos pecados capitais, mas somos fracos e movidos constantemente por apenas um. Os pecados são directamente opostos às Sete Virtudes, que pregam o exacto oposto dos Sete Pecados capitais inclusive servindo como salvação aos pecadores.

quarta-feira, setembro 24, 2008

Sobre as fotografias...1

Alguém tem uma ideia de quem é e onde está?



Novo Aviso de Perigo (ficava muito mais giro se numerasse o aviso, mas já não me lembro quantos é que estão para trás...)

De seguida vou ver como é que ficaram as fotografias que tirei e tenho uma data de "posts" para pranchar no blog!

domingo, setembro 21, 2008

Ainda não fui....

Mas já estou indo (antes que me digam para ir de uma vez).
Ontem tive uma noite meio estranha (para tal não é preciso muito, porque sou muito comum). Vi o filme Os Amores de Astrea e de Celadon de Eric Rohmer (fiquei um pouco cheia de pastores em ambientes bucólicos) e depois passei por um bar com tremoços e amendoins no qual num televisor passavam cenas de wrestling primeiro com lutadoras (uma barbaridade). Aproveitei para reflectir sobre a vida e para concluir que de vez em quando talvez noites assim possam servir para aprender alguma coisa (terei de reflectir mais para concretizar o quê).
O filme tem por base a adaptação de uma obra do século XVII de Honoré d`Urfé.





sexta-feira, setembro 19, 2008

Este blog está com demasiados textos

Entretanto apercebi-me que a este blog ultimamente estão a faltar imagens. Por essa única e estrita razão resolvi sacrificar-me e fazer pequena viagem ao sul para arranjar uma ou duas fotografias...Vou ter de embrenhar-me nos preparativos. Blog seguirá dentro de dias...Ou antes, se me lembrar de mais qualquer coisa para escrever...

quinta-feira, setembro 18, 2008

Pecados e Virtudes

Ainda não descobri todas as virtudes e surgiu-me uma relevante dúvida sobre os pecados: em vez da soberba ou orgulho não ocupará antes o seu lugar a ganância ou a avareza?

Nova rubrica - Classificações

Hoje para me entreter enquanto conduzia resolvi inventar classificações de condutores (mais uma vez a culpa é do trajecto mais ou menos longo, blá, blá, blá - ver post anterior para não ter de estar a escrever de novo o que escrevi lá). É notável que quase consigo inserir-me em cada uma, embora em algumas ainda não tenha tentado.
Teremos assim:
- Os condutores guerreiros, com um ar bem determinado e carros rápidos. Faces compenetradas e decididas, nas entradas sem prioridade enfiam-se com eficiência entre o fluxo de veículos;
- Os condutores polícias, que dão sinais de luzes e apitam às infracções dos outros, com rostos zangados (por vezes apitam aos primeiros, mas estes ignoram-os enquanto aceleradamente se afastam);
- As condutoras que conseguem pentear o cabelo e maquiar-se enquanto conduzem;
- Os condutores misteriosamente lentos, até que nos apercebemos que seguram um pequeno objecto rectangular escuro junto a uma das orelhas;
- A variante dos condutores guerreiros, que com determinação ou intuitos suicidas se metem rapidamente, mas depois passam a andar bem devagar ou porque os seus carros não estão habituados a velocidades ou porque afinal até não tinham pressa;
- Os condutores que nas vias com três ou mais faixas em cada sentido, seguem pela do meio;
- Os condutores atentos, que no preciso instante em que a luz muda para o verde, conseguem buzinar ao carro da frente para assim gentilmente lembrarem-lhe que tem de se mexer;
- Os condutores que estão mesmo antes do semáforo e que aproveitam para deixar sair o passageiro a quem davam boleia ou para entabular conversa com um peão (ou uma peão simpática) ou simplesmente adormeceram quando a luz muda para verde;
- ...

Reflexão Profunda I - Afinal onde é que está a felicidade?

A culpa será dos trajectos mais ou menos longos que tenho de fazer de carro entre cidade onde moro e cidade de local de trabalho!
Debrucemo-nos pois sobre a questão: Afinal onde é que está a felicidade?
Poderá estar em sermos capazes de ver e viver as pequenas-grandes coisas, de sentir-nos gratos como de uma benção concedida (li a Bíblia quando tinha doze ou treze anos, mas muito raramente vou a uma Igreja e não me vejo como religiosa, por isso não é nesse contexto que escrevi graça e benção).
Sair porta fora e sentir a luminosidade e a frescura da manhã, notar que quase sem pensar se pôs veículo em movimento, reparar no verde de uns campos que ladeiam a estrada, numa multidão de pássaros que lá à frente e no alto se movem em grupo, ter a dupla percepção de que é especial o que se vê e o ser-se capaz de o ver.
Na ideia do sentido da vida ser a reprodução ou a procriação encontrar-se-á a renovação da esperança.
Lembrei-me de anos atrás, ainda adolescente, ter pensado que a minha própria morte só seria insuportável, se fosse a última pessoa na terra e que havia um pouco de mim em todos os que viam ou sentiam algo que eu tivesse visto ou sentido. Assim mesmo quem partisse, ficava.

quarta-feira, setembro 17, 2008

Sete Pecados e Sete Virtudes

Além de ter de desenvolver os meus sete pecados ao ler o comentário da Rosa dos Ventos pensei que também seria interessante escrever sobre as contra-senhas: Contra a luxúria, a castidade...Contra a preguiça, a diligência...Contra a soberba, a humildade...Contra a gula, a temperança... Alguém sabe quais são as outras?

domingo, setembro 14, 2008

Vaidade

Olhou para o espelho à sua frente e sorriu para o reflexo da sua imagem que lhe retribuiu o sorriso. Como era bela. Tudo em si parecia brilhar, os olhos grandes, a pele luminosa, a boca rosa e os dentes como pérolas. Pensou em como estava bem vestida, com um vestido florido e decotado e como em todo o lado era o centro das atenções.

sábado, setembro 13, 2008

Raiva ou Ira

Aquele filho da p... tentara meter-se à sua frente já lá atrás. Agora é que não ia conseguir! Acelerou pela direita da via, vigiando o outro pelo canto do olho. Em breve ia ter de desistir porque a seguir vinha à curva. A ele é que ninguém dava o golpe. A mulher que já o conhecia, daquela vez nem tentou dizer nada. Já sabia que se o chateasse também levava. Pisou o acelerador com força. O outro que tinha um carro potente, também acelerava e com mais sucesso. Conseguiu passá-lo e pôs-se à sua frente. Fez-lhe o sinal. Sentiu que aí é que perdia toda a calma. Filho da... Ligou os máximos e colou-se-lhe à traseira

Gula

Sentia-se a rebentar, mas arranjaria ainda um espaço para a sobremesa. Tinha de aproveitar aquela ocasião. Um jantar em grupo com vários pratos e colegas que comiam pouco. Um sonho. Os médicos avisavam que estava acima do peso, mas não ligava. Vivia para comer. Mal acabava uma refeição, a satisfação durava poucos segundos antes de começar logo a preocupar-se com a próxima. Como e onde seria.

Soberba

Nem pensar em pedir desculpa. Podia ter-se enganado, mas fora um pequeno erro, admiti-lo não faria sentido quando fazia tudo o resto sempre bem, ao contrário dos outros, incompetentes e fracos.
Estou com dificuldade com este pecado

Inveja

A promoção deveria ter sido sua. Olhou a colega meio de lado. Uma loura pintada e desenxabida, a que alguns homens achavam graça, entre os quais, infelizmente o chefe da Secção. E que nome estúpido: Marlene. Provavelmente inventara-o. Apostava que teria um nome comum como Maria antes de o alterar para Marlene. Toda sorrisinhos, a chegar mais cedo e a sair mais tarde para fingir que trabalhava, a dizer aos colegas "não te preocupes, sei que tens de ir buscar o teu filho à escola" ou "o teu autocarro está a sair", "vai lá que eu acabo isso por ti". A espertalhona! Tudo só para impressionar o patrão e roubar-lhe o lugar que deveria ser seu.

Luxúria

Não são casados ou comprometidos um com o outro, nada os liga, nem sequer qualquer afecto ou conhecimento prévio. Encontraram-se naquela noite, um olhar e entenderam-se: queriam o mesmo. Procuraram um sítio neutro, um quarto numa pensão perto. Chegaram tarde pelas 11 da noite, despiram-se um ao outro, cairam sobre a cama e satisfizeram-se uma, duas, inúmeras vezes, com breves intervalos nos quais um caía no sono e era acordado pelo outro. De manhã, nenhuma palavra trocaram, seguiram para lados opostos, sabendo que se voltassem por acaso a encontrar-se talvez nem se reconhecessem.

Preguiça

Sentia-se extremamente fatigada. Cansava-a a simples ideia de se levantar da cadeira onde se sentara para ir buscar um livro. Desde manhã que estava assim, aliás desde há inúmeros dias, tantos que já lembrava quantos. Acordava tarde. Arrastava-se até à casa de banho para se lavar minimamente, bebia um bocado de leite do pacote, olhava para a louça que se acumulava na banca e pensava amanhã. Em cada dia ficava para amanhã e já não devia haver nada limpo. Felizmente tinha o telefone, a net e os cartões de crédito para conseguir alguns alimentos e os irmãos alternavam nas visitas semanais para confirmar que continuava viva. Tinha ido a imensas consultas, realizado todos os exames, e todos tinham concluído que era saudável. Uma mulher saudável e ainda jovem, com trinta e dois anos, sem obrigações, com rendimentos, um pouco abaixo do peso para a sua altura e sã. Só que nada lhe apetecia fazer, qualquer gesto lhe parecia inútil e fatigante e preferia ficar quieta, meio a sonhar acordada.

Atelier de escrita

Como um pequeno exercício para o atelier vou iniciar textos sobre os sete pecados...

Na quarta-feira

Porque gosto de assinalar esses acontecimentos, até agora sempre especiais, conheci um bloguista na quarta-feira e uma sua amiga muito simpática e bonita. Já era fã dele, agora vou sê-lo duplamente, tratar de arranjar um tempinho para pôr o link para o seu blog mais acima e ficar a aguardar pelo livro.

sexta-feira, setembro 12, 2008

Pequeno intervalo

Interrompi a luta com o computador para escrever um ou dois posts. Hoje decidi que iria finalmente gravar uma cópia de segurança dos meus documentos. Consegui aparentemente meter a pen no sítio certo, mas agora não consigo encontar a pasta "os meus documentos" (fui muito original na criação do nome). Encontro-os no ambiente de trabalho, quando abro o word, mas quando vou para o C: nada!

terça-feira, setembro 09, 2008

Sem net durante a manhã e já acabou o prazo para a resposta à questão!

Só mesmo não ter net, para não ter continuado hoje, porque continuo imparável (poderia ser um outro paradoxo?). Talvez sem me aperceber tenha passado perto de algum red bull e inspirado nessa altura o vapor que emanava da bebida. Claro que forças ocultas e sapientes poderão conspirar nos esforços para me silenciar. Hoje não tive net, amanhã poderei ser inclusive excluída da blogosfera. Enquanto isso, asfixiava-me silenciosamente a dúvida sobre se alguém teria desvendado a resposta para a questão que coloquei infra (deveria ser supra, mas no blog isto anda tudo invertido). Gostei muito da resposta do Luis Eme mas considerei ser de decidir agora (e antes que alguém acerte) que apesar de antes não ter fixado qualquer prazo, o prazo já decorreu e por isso ninguém acertou e não vou ter de enviar um prémio a ninguém.

segunda-feira, setembro 08, 2008

Uma possível explicação para isto tudo

Também pode ser que tenha estado a beber Red Bull...










(por acaso ainda não experimentei...aí é que eu iria conseguir escrever vinte posts!)

Post de bonus ou Aviso de Perigo

Agora que comecei isto, ganhei ritmo e pode ser que amanhã até decida escrever 20 posts!

Questão e último post

Depois das inúmeras pistas que deixei alguém consegue ter uma ideia de qual poderá ter sido o objectivo tortuoso para decidir e escrever dez posts?
(prometo que nesse caso e desde que me revele um endereço, tentarei arranjar algum prémio mais ou menos interessante para lhe enviar - e para que nenhuma suspeita de batota possa existir, irei de seguida escrever num post, que guardarei como rascunho, a resposta)

Voltei

Entretanto, perdi-me a ver séries na televisão, entre o final de Lei e Ordem e o começo de Boston Legal, vamos lá a despachar isto porque afinal assim e depois deste, só vai faltar um post!

Intervalo

Vou fazer um pequeno intervalo para ir jantar e interromper estes momentos de escrita intensa! (este texto também conta como post).

Sexto ou sétimo post

Hesito entre ir alterar o número de "posts" que disse que iria escrever ou continuar (claro que inicialmente eu poderia ter escrito que iria escrever uns vinte "posts" e ter ido entretanto alterar já isso...).

Ainda sobre Os Sete Pecados

Em preparação para o atelier de escrita consegui arranjar hoje O Clube dos Anjos de Luís Veríssimo (está em causa o pecado da gula)!

Na revista Única do Expresso da semana passada referiam um número da revista Sciences Humaines que incidia precisamente sobre os pecados capitais ("Nos Péchés Capitaux"). Na Única referia-se que seria o número de Agosto e Setembro (mas não consigo encontrá-lo, pelo que me parece que poderá ter sido um número anterior) e que nela se desenvolvia a ideia de, nos nossos tempos, existirem mais pecados ou pecados diferentes.

A fonte da juventude

Parece-me interessante como algumas figuras públicas, sobretudo actrizes e cantoras, como por exemplo, a Sharon Stone e a Madona parecem ter mergulhado na fonte da juventude. Poderia experimentar escrever uma história em que isso sucedesse à personagem, iria entrar na água por estar com calor, sem saber que fonte era e depois não saberia também como reencontrá-la, para dividir com outros a benesse concedida.

Paradoxo

Será que no caso de uma só vez enchermos o blog com uma data de "posts", estes serão lidos (sobretudo se os conseguisse fazer super-compridos)? (claro que neste blog e ressuscitando o crítico cáustico, sobre quem já não escrevia há algum tempo, seria melhor não). Gosto de paradoxos. Parece-me que poderia existir um no escrever num espaço no qual existe a possibilidade de se ser lido de forma a afastar os leitores mais intrépidos e corajosos.

sol, sOL, SOL!

Graças ao 1/2Kg de Broa arranjei a inspiração para este incrível post!
Está SOL! (ou mais exactamente, esteve sol, agora é noite). Agora poderia postar sobre não ter ganho o euromilhões, para a seguir e mesmo não jogando, ganhar!

Aviso

Mesmo sem ter nada a dizer, resolvi que de seguida vou escrever uns dez posts ou pelo menos uns cinco.

Intensidade

Às vezes, muitas vezes, ao ouvir algumas pessoas da minha idade ou até mais novas fico com a sensação de que vivi pouco. Pode ser tudo relativo e até ter vivido com muita intensidade os livros que lia em vez de sair para a noite, viajar, enamorar-me e envolver-me em relacionamentos apaixonantes, etc., mas duvido. Por outro lado, poderei pensar que desta forma pude viver depois e agora como novo o que para outros seria rotineiro, mas também não sei se será bem assim (antes pelo contrário, sobretudo num determinado domínio). Vou ficar antes com a ideia do relativo, pensar no que vivi e não no que não vivi e lembrar os dois opostos, o príncipe Ludwig e o Zézé de O Meu Pé de Laranja Lima.

sexta-feira, setembro 05, 2008

Chuva, chuva, chuva

Para chegar a local de trabalho tive de atravessar rios, fui sacudida pela vento e para variar fui sucessivamente ultrapassada enquanto seguia alegremente a 60 ou 80 km/hora (mas pela faixa da direita). Pela janela vejo o céu cinzento, árvores a abanar e está a chover a potes!

quinta-feira, setembro 04, 2008

Sobre os "posts"

Acabei de verificar que se eu "posto" um "post" e depois o retiro, não só no Google como pela blogosfera podem ficar resquícios desse post. Por isso, vou tentar não os retirar...só em último caso... ou em penúltimo caso... ou se não estiverem sequer ao nível habitual (baixinho)...

O sentido da vida - post que poderia ser profundo

Li um artigo numa revista (já não me lembro qual, nem quando) no qual um cientista entrevistado defendia a tese que sobrevivemos através do DNA que transmitimos aos nossos filhos. Essa ideia de continuarmos vivos através de obras que realizamos, dos filhos que temos ou na memória dos que ficam, sempre me pareceu insuficiente. Daí posso dar o salto para o sentido da vida. Eu tinha a expectativa de que quando crescesse, saberia qual é. Ora, não me parece que vá crescer mais, a não ser eventualmente para os lados ou recorrendo a saltos altos, e até agora nada. Existirá um sentido e se existir qual será?

terça-feira, setembro 02, 2008

Sobre os Sete Pecados - Júlia Ramalho (post em construção)








Avareza, preguiça, inveja...
Depois vou investigar melhor isto...

domingo, agosto 31, 2008

Novo atelier de escrita

Já começaram as inscrições em Serralves!
O tema será "Os Sete Pecados Mortais".
Para me preparar estive a ler A Casa dos Budas Ditosos, de João Ubaldo Ribeiro, comecei a ler Mal Secreto de Zuenir Ventura e planeio ler a seguir O Clube dos Anjos de Luís Fernando Veríssimo (assim arrumo os pecados da luxúria, inveja e gula).

Museu Soares dos Reis

Hoje fui ver a exposição "Linha do Horizonte" no Museu Soares dos Reis: "Autores portugueses contemporâneos e a sua visão sobre o tema da paisagem". Comissariada por Bernardo Pinto de Almeida, esta exposição reúne 62 obras de 26 autores de diferentes gerações, como Álvaro Lapa, Cruz Filipe, Jorge Martins, Julião Sarmento, João Tabarra, Mariana Viegas ou Rita Magalhães.
Ler mais aqui.

quarta-feira, agosto 27, 2008

Coincidências

Por um comentário e ao deambular por outro blog, descobri que estive em Santiago no mesmo dia que o Boaventura Eira-Velha do blog Memórias... e estive em Barcelona também na mesma altura que a Ni do blog MomentUS. Poderemos ter-nos cruzados, mas tanto quanto eu saiba não nos reconhecemos. Para a próxima vez temos de combinar isto melhor!

terça-feira, agosto 26, 2008

O bom de regressar (e claro que será um pormenor irrelevante só ter ter estado fora por 3/4 dias) é confirmar como gosto de morar aqui. E regressar em Agosto melhor ainda. Há menos trânsito na cidade, consigo chegar mais rapidamente onde quero ir, quase como se fosse Domingo de manhã, e consigo encontrar lugar para estacionar o meu carro antes de desistir de procurar. E o positivo em terminarem as férias é o reencontro com alguns amigos e o parecer que como no tempo da escola, algo está para começar.

Breves Notas sobre viagem III


De 21 a 24 de Agosto fui a Barcelona. Estive na Praça da Catalunha, na Rambla, passei perto do Edifício Bruno Quadros, andei por cima do Mosaico Miró, subi até ao alto do Monumento a Colombo (embora não tentasse ser fotografada em cima de nenhum dos animais que ladeiam a estátua como vi outros turistas a fazer, com alguma dificuldade, porque os animais parecem bem altos e escorregadios), visitei o Convento Santa Mónica e as três exposições: A Guerra em directo - Guantanamo de Alicia Framis; El evento Expandido e a de Ahmet Ögut. Passei pelo Montjuïc, fui à Fundação Juan Miró, vi a exposição temporária de Olafur Eliasson, A natureza das coisas (crianças e adultos a brincarem com peças de lego branco, peças ondeantes e outras e os seus reflexos, a ilusão de uma porta). Fui ao Bairro Gótico, vi a Catedral e visitei as casas Batlló e Milá e A Sagrada Família.
Enquanto lá estava li alguns contos de Ela, Maldita Alma de Manuel Rivas e encontrei A Antologia Poética de Vicente Aleixandre.

domingo, agosto 24, 2008

terça-feira, agosto 19, 2008

Férias

Não quero que acabem!

Apesar de lesionada, contemplo a possibilidade de mais uma saída. Se tiver sorte, blog vai ficar abandonado por mais alguns dias...

Vicente Aleixandre

Como nasceu o amor? Foi já no Outono.

Maduro o mundo,

não te aguardava já. Chegaste alegre,

ligeiramente loira, deslizando na brandura

do tempo. E olhei para ti. Que bela

me pareceste ainda, sorridente, vivida,

de frente para a lua, ainda criança, prematura na tarde,

sem luz, graciosa nos ares doirados; como tu,

que chegavas sobre o azul, sem beijo,

mas com dentes claros, com impaciente amor!

Extracto do poema "Nascimento do amor" de Vicente Aleixandre, Prémio Nobel da Literatura de 1977 (Antologia, Porto, Inova, 1977)

sábado, agosto 16, 2008

Artes em Partes

Hoje decidi que ia finalmente percorrer a Rua Miguel Bombarda, visitar as Galerias todas e descobrir se no Snack "O Churro" tinham churros com chocolate quente.
Meti-me a caminho e eis que consigo um lugar legítimo e perto para estacionar o meu carrinho (isso deveria ter-me levado a desconfiar que algo não estaria bem...).
Começo a caminhar em direcção à rua. Tára, tára, tára, tára, ou ... como é que será o ruído de um passo? (com as palavras iniciais pretendia reproduzir o som da série 7ª dimensão ou twilight zone). Talvez toc, toc, toc, toc, (mas não ia com saltos... e o toc, toc está a parecer-me mais alguém a bater a uma porta ou um cavalo a trote... bem vou deixar a resolução desta complexa questão para um outro dia).
Vários toc, toc, toc, depois, chego finalmente e apercebo-me que parte da rua está em obras.
Não desanimo e continuo. Passo por duas, três, quatro, cinco, penso que seis galerias e azar, estão todas fechadas para férias (e vou inclusive à parte em obras, passando por cima de pranchas... como é que se simulará o som de passos em cima de pranchas?). O snack também está fechado: para férias (mas não me parece que tenha churros - na montra publicitam comida portuguesa e brasileira e não espanhola - já agora se alguém souber onde encontrar churros com chocolate no Porto ou perto, agradeceria profusamente a informação).

Todavia, tive a oportunidade de ir conhecer a Arte em Partes. Vendem CDs e livros, expõem e vendem vestidos e bijutaria, têm um atelier que uma turista na altura em que lá fui tinha resolvido filmar ou fotografar e um terraço com arbustos, um Buda, outras figuras, e mesas engraçadas onde servem scones e chá.

15 de Agosto - Dia do Mirandês

"Hai lhénguas cun sous scritores i hai lhénguas de cuntadores" - uma das definições dadas ao mirandês (na Revista Focus desta semana). O meu pai conhece algumas palavras e frases.

Breves Notas sobre viagem I




De 27 a 31 de Julho estive em Nice, Cannes, Antibes (onde fica um Museu Picasso e por onde "andava" o Corto Maltese) e Saint Paul de Vence (tendo sido referido que alguns escritores aqui situaram os seus romances, gostaria de saber quais). Em Cannes fui ver a exposição Le Monde Est Fou, J´Adore! de António Saint Silvestre na Malmaison, no Suquet ouvi o final de Fine Arts Quartet (terão tocado Haydn), na Croisette vi parte do fogo de artifício e ouvi os Flash Barrandov (a sua música fez-me lembrar a dos filmes do Kousturika). Li os livros Sonetos de Camilo Pessanha, Sonétchka de Ludmila Ulitskaya, Pedro, Lembrando Inês de Nuno Júdice (sugerido pela Ni), e A Invenção de Morel de Adolfo Bioy Casares.

Breves Notas sobre viagem II



De 7 a 10 de Agosto estive em Vigo, Santiago de Compostela, O Grove, Pontevedra e Tui.






Experimentei mexilhões, navajas e churros com chocolate quente e comi tortilha e paella.



Adorei passear, comer em esplanadas e ficar a conhecer do Museu de Pontevedra: as Ruínas de Santa Maria, o 6º Edifício e o Edifício Sarmiento (no 2º, com paredes de vidro, estava a exposição Sen Fronteiras - Converxencias Artísticas Hispanomagrebis e no 3º além de alguns quadros de arte galega dos séculos XVI-XVIII uma exposição temporária de bolseiros). E fiquei a saber da existência de um escritor que nasceu em Pontevedra, Ramón del Valle Inclán. Recomecei a leitura de "Último Amor" de Christian Gailly.
Entretanto e desde a última vez que escrevi qualquer coisa, parece-me que o painel do blogger se alterou e descobri que como redonda tenho doze blogs! É melhor começar a "postar" de uma vez, senão ainda deixo de saber como é que se faz...

terça-feira, agosto 12, 2008

Aviso

PERIGO - Pode ser que amanhã comece com os posts super aborrecidos sobre duas viagens e pior ainda, resolva também postar alguma fotografia!

quarta-feira, agosto 06, 2008

E agora vou de novo...

Só por uns dias, pode ser até só um, ou mais, e depois poderei elaborar imensos posts sobre as idas e voltas!

terça-feira, agosto 05, 2008

COncursos e prémios


Quando regressei de viagem I, tive a surpresa de saber que tinha ganho um livro num concurso pela net (do qual já quase não me lembrava de ter participado). Penso que deve ser a 1ª vez que ganho alguma coisa assim e o prémio ser um livro é óptimo!

segunda-feira, agosto 04, 2008

Voltei!

Hesitei no título em optar por I´m back, mas pareceu-me que o voltei seria mais soft (claro que isto tudo é só para armar-me que sei escrever umas coisas em inglês).
Estive cinco dias noutro país, os dias antes estive a preparar-me psicologicamente para a viagem e nos dias seguintes estive a recuperar da viagem...
Vou pois continuar a escrever sobre nada e a tentar fazê-lo cada vez melhor!

terça-feira, julho 22, 2008

André Carrilho


Fui ver a exposição na Galeria do DN no Porto de André Carrilho (cartonista, caricaturista e ilustrador). Gostei.

segunda-feira, julho 21, 2008

AVISO

Blog vai entrar em ritmo ainda mais lento, por causa do calor, das férias e porque estou sem energia. Vai ficar tão lento que vai ser difícil conseguir observar-se qualquer movimento, tão lentos e imperceptíveis imagino que irão ser nos próximos dias.
Muito obrigada a todos os que passaram por aqui. Tenciono postar no post anterior as sugestões de leitura que deixaram ficar e vou tentar seguir algumas.
Boas férias para os que estejam ou vão estar de férias e bons dias de trabalho, fim-de-semana, etc. etc. a todos!

quinta-feira, julho 17, 2008

Rio Uima


De repente e sem estar à espera tive um convite para almoçar com amigos, em casa de uma amiga: sardinhada, febras e sobremesas muito boas, sobretudo uma com claras, leite creme e morangos. No final fomos tomar café a um espaço novo, ao pé duma fonte e do rio Uima, muito verde e com o barulho da água a correr.

Post em construção

Já não falta muito para ter férias e hoje está um pouco menos calor, talvez menos 2 ou 3 graus que ontem, quiçá menos ainda!

Vou abrir este post a sugestões de leitura para férias ...

Sugestões:
MC: "O Apocalipse dos trabalhadores" , de Valter Hugo Mãe

ferreira : - 'Imaginem que', de Joseph Heller, difusão cultural

-'A estrada', de Cormac Mccarthy, relógio d'agua.
Eira-Velha : "Deste Mundo e do Outro", de José Saramago

pin gente : "amor em tempo de cólera" em castelhano

Escutador de Almas : As mulheres do meu pai de José Eduardo Agualusa

Maltês: uma ou outra alteração legislativa

Colheita63 (HB) : A relíquia, A cidade e as Serras e O crime do Padre Amaro

São : o romance histórico sobre Filipa de Lencastre de Isabel

Oris : Cal" de José Luís Peixoto e "Ao contrário das ondas" de Urbano Tavares Rodrigues

Mocho_ao_Luar : O idiota de Dostoiévski

Tony : toda a obra do João Aguiar: começando, talvez, com A Voz dos Deuses e acabando no Trono do Altíssimo.Como romance histórico, A Casa do Pó, de Fernando Campos, ou qualquer uma das obras de Steven Saylor (romances "policiais" passados na Roma Antiga

bagaco amarelo : receita culinária

Riquelme: o código do patronato

Ni : Prosa: UMBERTO ECO, 'A Ilha do Dia Antes'; Poesia:NUNO JÚDICE, 'Pedro, Lembrando Inês'

segunda-feira, julho 14, 2008

Finalmente, parece que chegou o calor (escrevi baixinho para que não virasse tudo de novo). Quem possa passar por aqui de vez em quando poderá ter notado que cada vez isto está mais parado...Pois. Vou culpar o calor. Está demasiado calor para escrever. O tempo. Não tenho tempo. O anjo - a inspiração. Foi de férias. Por isso a culpa é deles!

Entretanto na penúltima aula do atelier voltámos a estar vendados e tínhamos depois de tactear o rosto de um estranho para a seguir o descrevermos, não fisicamente, mas nas suas características pessoais (logo eu que gosto de pensar que o que parecemos não nos define).

terça-feira, julho 08, 2008

O que escrevi na sessão...

Antes de transcrever para aqui o que escrevi, queria só sublinhar mais uma vez que o fiz na sessão...embora, se calhar mesmo que o fizesse em casa, com toneladas de tempo para pensar, pudesse não sair melhor...

Título: Os Amantes
1ª Parte

Orgulhoso da sua forma e rapidez, um verdadeiro corcel de um romance de capa e espada, aguarda que o herói, mosqueteiro do rei, saltasse da balaustrada da janela da casa da amada.

2ª parte

Lá dentro, este, uma verdadeira estátua de homem, sentia-se sem forças ou braços para continuar a abraçar a amada, senhora de grande beleza e recato, infelizmente casada e esperava que a mesma voltasse do aposento ao lado, para se despedirem. A paixão e a culpa atormentavam-no à vez e sentia-se de cabeça perdida.

3ª parte

Sentindo-se também sem braços e sem pernas para manter agarrado a si o seu amante e de cabeça perdida com a ideia de o perder, esta regressa para se conseguir despedir, mas prometem rever-se na noite seguinte.

segunda-feira, julho 07, 2008

Decisões 2

E quero escrever mais!


E já agora, também escrever melhor (não vou por isto numa decisões 3, porque dá um bocado de trabalho ir lá acima ao criar de novo)

Nova rubrica - Decisões 1

Quando tiver tempo, quero começar a ler mais livros de autores portugueses!

Post para que desça o anterior

.







.
Foi mesmo só para que descesse o anterior...

domingo, julho 06, 2008

Domingo


Fui ver uma exposição de fotografias e pinturas na Ordem dos Médicos, com a citação de Abel Salazar: "o médico que só sabe medicina, nem medicina sabe".

quarta-feira, julho 02, 2008

Vendados!

Pois é, chegámos à aula e fomos vendados, mais exactamente e pior ainda, fomos instruídos para nos vendarmos a nós próprios e permanecer em silêncio, enquanto por segundos nos eram dados a tactear (ortografia corrigida graças a comentário de Anónimo) três objectos. Após tinhamos de escrever uma história com três partes na qual entrassem apenas como personagens aqueles três objectos. Eu acabei rapidamente e queria ler, mas só o pude fazer pela ordem da lista (queria só para aquela aula, chamar-me Ana ou Anabela ou Abília, Alcina, Ângela, Amélia, etc. etc.).
Quando tacteei (idem conforme supra) os objectos não senti cores. O primeiro pareceu-me de metal e com a forma de um pequeno cavalo. O segundo, maior e mais pesado, pareceu-me um tronco sem cabeça, pernas ou braços. O terceiro um outro tronco, também sem cabeça, pernas ou braços e com seios. Quando depois de todos lerem, vi os objectos, confirmei que o primeiro era um cavalo etrusco e os outros dois esculturas de João Cutileiro.
Alguém quer tentar escrever a história com três partes na qual só entrem estes três personagens?
Se alguém corajoso quiser tentar, transcreverei para aqui o que fiz e escreverei sobre outros trabalhos de que gostei e fixei.

terça-feira, julho 01, 2008

Próxima aula do atelier - amanhã

Horror dos horrores não me lembro se ficámos ou não com um algum trabalho de casa. Será uma óptima desculpa para não o fazer, no caso de haver algum.
Seja como for a aula promete porque estamos agora no sentido do tacto... . Se quando foi o do olfacto, tivemos de cheirar as caixas misteriosas, e quando foi o do gosto, foi-nos servido um jantar, o que será que nos espera amanhã?

domingo, junho 29, 2008

Ontem fui assistir à homenagem a Fernando C. Lapa pelo Coro Académico da Universidade do Minho, no Theatro Circo em Braga. Gosto da cidade, sobretudo num entardecer e noite de verão e gostei de ouvir o coro, especialmente uma das solistas que é amiga de uma das minhas irmãs.

terça-feira, junho 24, 2008

Trabalhos para o atelier

Vamos lá a ver... a primeira questão ou desafio: "A que é que sabem os espargos?"
Relembro o momento em que provo o espargo pela 1ª vez... e da forma errada - utilizei o garfo e a faca quando pelos vistos devem ser comidos à mão!
A que sabem os espargos?
Surge o espargo!
Meio amarelado, único, com um cheiro a nabo.
Provo...
Meio mole, frio, salgado, um pouco amargo.
O espargo sabe a nabo!

Passemos para o 2º desafio.
O que é que evocam as tripas à moda do Porto?
O altruísmo dos portuenses?
Um almoço de restaurante que não escolhia?
Os feijões brancos e molho laranja que provo em busca de inspiração?

É melhor passar à frente...
3º Desafio
Aroma e sabor de um vinho do Douro
...
Pois... normalmente... bebo água...
Alegremente cedo algum do conteúdo do copo a um colega que o adivinhou e mesmo assim vou acabar por não o beber todo.
Apesar disso faço um esforço dividido em vários pequenos goles. Cheira a vinho, a álcool. Inspiro profundamente várias vezes. Continua a cheirar-me a vinho e a álcool. Provo. Talvez um pouco amargo, primeiro fresco, depois quente. Não consigo sentir cheiro ou gosto de qualquer fruta, nem sequer de uma uva. Sabe a vinho e pronto!
Com uma pequena ajuda tento desenvolver a ideia (que não é minha) que saberá quando o reconhecemos, ao momento em que antes o bebemos. Com ele traz a companhia com quem estávamos, a alegria ou a saudade.

Hoje

Hoje está a ser um óptimo dia. Conheci em pessoa um bloguista que superou a ideia positiva que já tinha dele - por isso gosto da blogosfera, pelas pessoas e mundos que nos permite conhecer - e tenho alguns minutos para tentar escrever alguma coisa de jeito para o atelier amanhã.

segunda-feira, junho 23, 2008

A última sessão do atelier foi absolutamente espantosa! Para variar, consegui chegar antes, a tempo de me aperceber que uns colegas aproveitavam esses momentos para redigir o TPC que ainda não tinham feito (mesmo assim, nesses poucos minutos, dois deles elaboraram textos de que gostei muito - eu não ousei ler o meu, no que fiz muito bem). Depois de alguns terem lido o que tinham escrito, é-nos dito que se seguirá um exercício prático. E este foi inesperadamente incrível. Foi-nos servida uma refeição verdadeira (não literária) com os seguintes itens: um espargo cozido, tripas à moda do Porto, um morango com queijo, acompanhados de um vinho do Douro e de vinho do Porto. Para os próximos trabalhos devemos escrever sobre:
- A que é que sabem os espargos!
- O que é que evocam as tripas à moda do Porto;
- Sabor e aroma do vinho do Douro.

terça-feira, junho 17, 2008

Parece que afinal o TPC é escrever um menu!

Hoje andei a correr, de casa para trabalho, depois de trabalho para curso, com pequena e rápida passagem pela Fnac, onde de novo testei a minha mais recente experiência para combater o sono (que revelo em inédita e 1ª mão dentro destes parêntesis - dois ou três ou mais rebuçados de limão) e soube por um colega que afinal o TPC é escrever um menu.
Como tem de ser para amanhã, vou experimentar redigir um primeiro rascunho.
Começa-se pelo apetite: recomenda-se primeiro imenso apetite. Para isso poderá ser boa ideia não ter comido absolutamente nada nas três horas ou melhor nas seis horas precedentes. Depois para entrada, corta-se uma pequena fatia de pão e mete-se a mesma na torradeira. A seguir e como 1º prato, parte-se uma fatia maior e mete-se na torradeira. Como esta terá entretanto aquecido, teremos de vigiar com atenção para evitar que a fatia se queime ou vire carvão e se for preciso retirá-la com uma faca de lá de dentro, se por acaso o botão de emergência que faz saltar a dita estiver emperrado. Esta poderá ser barrada dos dois lados ou então poderá ser barrada com manteiga e compota. Finalmente para sobremesa, e no caso de já se estar farto de torradas, viramo-nos para a compota: artisticamente deitamos algumas colheres num pequeno prato e está feito!

sexta-feira, junho 13, 2008

Novo TPC - "Help"

Para a próxima quarta-feira tenho como trabalho de casa escrever um menu ou uma receita com rigor culinário e literário. Na sessão o tema foi o gosto ou o sabor e a escrita. Leram-se textos (dois de Proust) e debateram-se ideias. Não me sinto muito inspirada e decididamente prefiro comer, mesmo sem saber quais os ingredientes que tornam um prato especial ou único. Se não for recorrer à paella do Lidl, talvez possa redigir uma receita de torradas...

terça-feira, junho 10, 2008

Hoje


Antes que o hoje passe a ontem, vou tentar escrever meio post depressa. Fui tomar um café com a Pin Gente ao Palácio de Cristal e sem o sabermos acertámos no dia da inauguração de uma exposição de desenhos e pinturas de Abel Salazar. Serviam bebidas e entradas e não resisti a uma mini-natinha muito boa. Gostei das pinturas: "Festa no Adro", "Mulheres na Penumbra" e "Mercado da Ribeira". Um senhor simpático mostrou-nos a sala onde irão decorrer três aulas ou sessões de desenho à vista (a 1ª já no próximo dia 14) que me pareceu saída de um filme: um sítio reservado ao modelo (penso que por cima tinha um pano branco ou um lençol), rodeado dos cavaletes que já com telas ansiosamente aguardavam os alunos.


domingo, junho 08, 2008

Concerto

Sábado fui com uma amiga ao Europarque em Santa Maria da Feira assistir a um concerto pela Orquestra Metropolitana de Lisboa, dirigida por Piotr Anderszewsky, que também tocava piano. Tocaram peças de Haydn, Bach e Beethoven. Ainda não conhecia o Europarque. Gostei do lago verde a reflectir as árvores e do concerto de grilos em noite de Verão, antes do outro. Que eu me lembre nunca antes tinha ido assistir a um concerto de música clássica. Gostei muito. É diferente de se ouvir por CD ou na televisão. Quando terminaram, o senhor bem vestido à minha frente gritou "Bravo" e no intervalo ouviu-se uma voz pequenina a chamar pela mãe.

sábado, junho 07, 2008

Atelier de escrita II - A continuação (apenas devida aos comentários!)

Voltamos então à fatídica tarde, início da noite, em que ocorreu, salvo erro, a quinta sessão do 3º atelier de escrita...
Só no final, depois de termos permanecido em absoluto silêncio enquanto escrevíamos (excepto o barulho das canetas sobre o papel e os esclarecimento facultados aos colegas que chegaram atrasados, como eu, e já agora também o barulho dos passos dos colegas que chegavam atrasados, procuravam um lugar, sentavam-se e perguntavam aos outros o que é que estavam a fazer...) é que pouco a pouco se começaram a ler os textos. Depois da leitura de cada um, o Professor revelava afinal qual era o cheiro na caixa. Gostei especialmente das situações em que dois colegas dividiam a caixa, pelas diferentes aproximações que faziam. Assim duas colegas sortudas a quem saiu uma caixa com água de colónia falaram de frutos. Uma outra colega escreveu um texto que nos induzia a crer que o cheiro não lhe era agradável. O colega com a mesma caixa escreveu um texto que enaltecia o odor, e era: vinho!
Segue-se o texto que escrevi, com um desafio ou uma adivinha: de que é o cheiro? (devo é só acrescentar que não gostei do texto ou do cheiro, mas foi o que consegui arranjar e até me diverti a escrevê-lo):
De repente, sentiu necessidade de ir a casa de banho. No edifício vazio àquela hora, não havia ninguém a quem perguntar onde ficavam, nem nenhum sinal identificativo. Resolveu procurar. Deu alguns passos em direcção a um corredor mais escuro e sentiu o cheiro. Estava na direcção certa. Continuou. À frente, a intensificação do odor, confirmou-o. Por uma porta aberta à sua direita viu as louças brancas. Chegara onde queria, só esperou que estivessem suficientemente limpas para as poder usar."

quarta-feira, junho 04, 2008

Atelier de escrita

Na última aula do atelier de escrita fomos divididos por grupos. Cheguei atrasada e sentei-me na primeira mesa que tinha um lugar livre. Em cada mesa, à frente dos colegas estavam umas pequenas e misteriosas caixas brancas com uns cortes por cima. Porque o seu número era inferior ao nosso, alguns tinham de partilhar a caixa. O tema era o sentido do olfacto. O desafio era em silêncio, inspirarmos o cheiro da caixa à nossa frente e escrever depois um texto sobre o mesmo, mas sem o mencionarmos directamente. Só no final foi revelado qual era o cheio de cada caixa. Havia alguns bons e outros maus (o meu não era nada bom....).

sábado, maio 31, 2008

Exposição e Feira do Livro




O primeiro quadr o é de José Manuel Ciria, o segundo é de António Macedo e os outros dois são de Mário Bismarck)

Na ressaca do champanhe e do vodka (mais terrível ainda porque eram bebidas virtuais e por isso não sabiam a nada) vou tratar é de prosseguir para o terceiro ano (e se chegar lá, não posso é esquecer-me de comemorar com bebidas reais, nem que seja água). Hoje fui ver a nova exposição na Galerida Cordeiros (gostei de quadros de António Macedo - um grupo com roupas árabes, em que duas figuras olham para nós e se vêem reflexos do sol, de José Manuel Ciria, um "splash" abstracto com preto, vermelho e branco e Mário Bismarck, um casal, ele de olhos fechados, ela a pintar com uma sombra colorida). E depois fui finalmente à Feira do Livro...



terça-feira, maio 27, 2008

2º Aniversário

Quase me ia passar despercebido, mas este blog faz hoje dois anos! É absolutamente inacreditável como tenho conseguido ao longo de dois anos manter um blog sobre nada!
Ainda não comecei a comemorar com champanhe e vodka como se impõe, mas queria já deixar aqui um comentário para todos os que por aqui passaram, em silêncio ou comentando (está bem, sobretudo comentando, pelo muito que me têm ensinado e animado :) muito obrigada!

segunda-feira, maio 26, 2008

Chuva

E agora poderá ser o momento para recordarmos músicas com chuva...
It´s raining again...
...
...
...
...
...
ou talvez não.

quarta-feira, maio 21, 2008

Graças à Sol do blog Verão Azul encontrei a minha alma gémea no seu post "Blogolândia" de Friday April 18.

terça-feira, maio 20, 2008

Post em construção


Quarta-feira correndo entre o trabalho e o atelier de escrita consegui ir ver a correr a exposição na Galeria Cordeiros de quadros de Luís Feito. Como a exposição terminava a dia 17, já estavam a preparar a próxima que será uma colectiva. Da corrida pela Galeria guardei na memória círculos amarelos ou vermelhos, penso que salientes na textura da tinta.
Luís Feito é considerado um dos maiores nomes da pintura internacional, e obteve inúmeros prémios a nível mundial, nomeadamente nas bienais de Atenas, Paris e Veneza e ainda o Grande Prémio da ARCO, Madrid/2002. Nasceu em 1929, em Madrid. De acordo com o texto do próprio artista que integra o catálogo, sempre teve um fascínio, "à medida que os ia descobrindo, quantos e quão distintos são os caminhos que conduzem à criação. Criações de forma e aparências tão diferentes que nos levam ao mesmo sentimento face ao grande mistério da arte e da vida". No mesmo catálogo, refere Tomás Paredes, presidente da Associação Madrilena de Críticos de Arte, que as obras que estarão presentes nesta exposição foram concebidas durante "os anos das grandes superfícies cromáticas e generosas esferas; luas e sóis de numerosas cores, numa abstracção germinal dominada pela explosão da cor". Esta fase corresponde ao "trânsito dos carimbos de matéria, das enormes cartas lacradas a uma economia de meios, onde o orientalismo acciona subtilizando e sublimando a imagem, quando a sua obra passa de signo a natureza".
Sábado fui à Galeria do D.N. ver a exposição Souto Moura e Ferreira Alves - Princípio e Fim de um Projecto - Esquissos e desenhos do primeiro com imagens do segundo (desenhos e fotografias interessantes como aquela de uma casa com uma senhora à janela e atrás tem a obra - prédio moderno).
À noite fui ver o filme O Segredo de Um Cuscuz (La Graine et le Mulet). Fiquei com vontade de provar cuscuz... tanto quanto me lembro ainda não experimentei. Penso que é um filme bem conseguido, porque acreditamos nos personagens e entramos nas suas vidas, mas não gostei do fim. Queria um happy ending. O filme é de Abdel Kechiche que também assinou "A Esquiva".